25 março 2022
25 mar 2022

Acolher o dom – dando-se a si mesmo

Acolher o dom – dando-se a si mesmo
Solenidade da Anunciação
por  Stefan Tertünte scj
email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Nós, Sacerdotes do Sagrado Coração, já estamos bastante habituados com estas palavras do Diretório Espiritual: “Nestas palavras: Ecce venio, Deus, ut faciam voluntatem tuam: Eis que venho, ò Deus, para fazer a tua vontade [Hb 10, 7], e nestas outras: Ecce ancilla Domini, fiat mihi secundum verbum tuum: Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra [Lc 1, 38], encontram-se toda nossa vocação, a nossa finalidade, o nosso dever, as nossas promessas”. (DS, 13). Pode ser, no entanto, que não sempre nos recordamos do título que resume o conteúdo do parágrafo onde estas palavras estão inseridas: “O dom de si”. Eis que a festa que estamos celebrando hoje tem tudo a ver com isso: liberdade e dom.

Dehon foi um homem que leu toda a história da salvação como uma história na qual as relações entre Deus e os Homens e estes entre si são caracterizadas pelas palavras dom e abandono: oferecidas, acolhidas e vividas em liberdade. P. Dehon, em seus escritos, frequentemente enfatizava este tipo de atitude: Deus sé dá, Deus dá seu Filho. Constantemente nos recorda que Deus é doação de si mesmo, uma oferta libera e cheia de amor cujo destinatário é o próprio Homem.

Mas um dom não seria um dom, por mais amoroso que seja, se constrangido a uma resposta. Somente em liberdade um dom pode criar relacionamentos e dar forma à vida. E Maria aceita o presente, não imediatamente, não forçada, mas com grande liberdade. E é justamente na liberdade que sua vida vem moldada. Sim, sua vida vem formada pelo dom que acolhe: “fiat mihi secundum verbum tuum”.

É distintivo da revelação cristã que o dom, a liberdade e o abandono sejam intimamente interligados. Porque a vida que Deus quer dar, a sua vida, é sobretudo uma coisa: abandono. E nossa resposta? Maria nos ensina, não muito depressa, não apressadamente, mas livremente, com convicção e paixão. E isso porque acolher o dom de Deus significa doar-me ao meu amoroso Criador e às suas criaturas sofredoras, com liberdade e paixão.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para