23 março 2022
23 mar 2022

Apostolado Social SCJ financia cargo de coordenador para pessoas desaparecidas no estado

Apostolado Social SCJ financia cargo de coordenador para pessoas desaparecidas no estado
A Native Hope [“Esperança Nativa”] – programa de apostolado social dos SCJs da St. Joseph’s Indian School [“Escola Indígena São José”] - anunciou em 16 de fevereiro que financiará a posição para um especialista em pessoas desaparecidas criada no escritório da Procuradoria Geral do estado da Dakota do Sul.
email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

A Native Hope [“Esperança Nativa”] – programa de apostolado social dos SCJs da St. Joseph’s Indian School [Escola Indígena São José”] – anunciou em 16 de fevereiro que financiará a posição para um especialista em pessoas desaparecidas criada no escritório da Procuradoria Geral do estado da Dakota do Sul.

“A decisão de financiar o subsídio foi um próximo passo lógico em nosso compromisso com uma questão que tem sido um pilar de nosso trabalho por sete anos”, disse a Diretora Executiva da Native Hope Jennifer Long. “Quando soubemos pelos noticiários sobre as dificuldades de financiamento do escritório, quisemos derrubar qualquer barreira que existisse”. No trabalho que fazemos com as comunidades tribais, queremos ter um impacto positivo”. Chega de irmãs desaparecidas. Chega de indígenas desaparecidos”.

O Escritório de Coordenação dos Indígenas Desaparecidos e Assassinados (MMIP) trabalhará em parceria com a Procuradoria Geral, o Departamento de Justiça dos EUA e as agências de aplicação da lei estaduais e tribais para preencher as lacunas na coordenação e treinamento. “Isto é muito importante não só no sentido de melhorar os resultados em relação ao trabalho com indígenas desaparecidos e assassinados, mas também porque esperamos que isto possa se tornar um modelo para outros casos onde as lacunas da jurisdição criam problemas”, disse o Procurador Geral da Dakota do Sul, Jason R. Ravnsborg.

Os desafios surgem porque a polícia tribal e o FBI lidam com pessoas desaparecidas e casos criminais nas reservas. Mas esses casos são também gerenciados por agências locais e estaduais em outros lugares. Os casos podem envolver múltiplas jurisdições, e a comunicação e coordenação entre várias agências se tornam cruciais”.

Foto acima, no Capitólio do estado da Dakota do Sul: (Da esquerda para a direita) Iris Huezo, Native Hope; Rep. Rebecca Reimer; Rep. Tamara St. John; Clare Willrodt, St. Joseph’s Indian School; (Da esquerda para a direita) Paul Omodt, St. Joseph’s Indian School; Jen Long, Native Hope; Gov. Kristi Noem; Ten. Gov. Larry Rhoden; Mike Tyrell, St. Joseph’s Indian School; Rep. Peri Pourier; Steve Smith, Procurador Geral.

“Aplaudo a parceria entre os diferentes setores para tratar desta questão muito importante: nossos familiares indígenas desaparecidos e assassinados”. Quando nos unimos onde quer que seja possível, tornamo-nos capazes de ajudar a lidar com as estatísticas mais díspares entre nossos mais vulneráveis”, disse o Deputado Peri Pourier, democrata de Pine Ridge.

“O desaparecimento e assassinato de mulheres/pessoas indígenas é uma questão crítica e tem sido um foco meu desde que entrei para o Parlamento da Dakota do Sul”, disse a Rep. Tamara St. John, republicana que representa o Distrito 1. “A Governadora Noem tem sido uma defensora de soluções para esta crise por muitos anos. Agradeço sua disposição em trabalhar em conjunto para encontrar o financiamento necessário para o cargo de coordenador do MMIP criado pelo HB 1199 no ano passado”. Tem sido encorajador ver tantas partes interessadas trabalhando nesta questão, e estou feliz em ver a Native Hope tomar a frente para ajudar a alcançar a contratação para esta importante posição. Agora começa o trabalho de verdade”!

“A Tribo Lower Brule Sioux é muito grata à Native Hope pelo trabalho que eles fazem para ajudar a melhorar a vida nas reservas que servem. Esta grande oportunidade de financiamento finalmente trará luz à escuridão que envolve os indígenas desaparecidos e assassinados, cujas famílias são deixadas para trás em busca de respostas para seus entes queridos. Que esta ajuda traga justiça e conclusão para aqueles que buscam a verdade para as vítimas”, disse o Presidente Clyde J. R. Estes. “Wopila Tanka, Native Hope, pelo apoio financeiro para tornar isto uma realidade para a MMIP”. Hau Mitakuye Oyasin”.

Assim como o Centro Sagrado Coração em Eagle Butte, Dakota do Sul, a Native Hope é uma extensão da Escola Indígena São José. “A Native Hope está fazendo a coisa certa para nossos alunos e suas famílias”, observou Mike Tyrell, presidente da Escola Indígena de São José. “Mesmo que fosse uma só pessoa desaparecida já seria demais. Os alunos da Escola São José perderam entes queridos e membros de suas família nesta tragédia humana”.

Cerca de 40% das vítimas de tráfico sexual na Dakota do Sul são mulheres e crianças nativas, número desproporcional considerando que apenas 8,57% dos moradores são nativos. A violência doméstica é outro fator que contribui para o MMIP.

Entre os esforços do MMIP da Native Hope estão o Red Sand Project [“Projeto Areia Vermelha”] e eventos Never In Season [“Nunca na Estação”] que têm como alvo a indústria multibilionária do tráfico humano; o trabalho com a Red Ribbon Skirt Society [“Sociedade da Saia de Fita Vermelha”]; um curta-metragem chamado “Voices Unheard” [“Vozes Não Ouvidas”] como o objetivo de promover a conscientização; e uma relação de trabalho com o Call to Freedom [“Chamado à Liberdade”]. Além disso, a Native Hope trabalha junto com Serviços de Aconselhamento na Escola São José em eventos educacionais e oferencendo recursos sobre o assunto.

 

Artigo disponível em:

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para