16 agosto 2021
16 ago 2021

Não ao lado ou acima, mas “dentro” do povo de Deus

Não ao lado ou acima, mas “dentro” do povo de Deus
A questão séria para a vida religiosa hoje é relançar o Evangelho da fraternidade em uma nova base, rica em imaginação e sabedoria evangélica. 
por  Rino Cozza, csj
Testimoni
email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Durante o Conselho, Dom M. Richaud apreciou a remoção do substantivo “religioso” em favor da “vida religiosa”.

Desde o Conselho é no compartilhar a vida de todos que as pessoas consagradas são convidadas a revelar o rosto de Deus, investindo suas vidas na devolução ao povo da rua do Evangelho que lhes pertence. É, portanto, o momento de ativar colaborações, de cooperar integrando-se com as pessoas que em um determinado território têm uma influência potencial na mobilização da mudança esperada.

Esta comunhão significa tomar consciência da própria identidade a fim de estar aberto à alteridade. É uma questão de viver juntos de tal forma que não vivemos mais simplesmente um ao lado do outro em uma opacidade mútua, mas em relação ao outro, e que nos realizamos nesta relação de troca, uma vez que a fé cristã tem seu elemento central precisamente nas relações verdadeiras, boas, saudáveis e interessantes. Segue-se que uma forma de vida que gira em torno de si mesma não é mais compreensível e, portanto, desejável.

Desde a singularidade até a multiplicidade de modelos de comunhão

O Papa Francisco, por ocasião do Ano da Vida Consagrada com sua Carta Apostólica às Pessoas Consagradas, vislumbrou traços de fecundidade para a vida de comunhão “dando origem a outros lugares onde se vive a lógica do dom, da fraternidade, do acolhimento da diversidade“.[i] Outros lugares que nos permitem sentir como caminhantes com aqueles que caminham e buscadores com aqueles que buscam através das relações humanas que são fruto e sinal do primado da escuta da Palavra sobre qualquer outra coisa.

Que a variedade de modelos é um elemento indicado como enriquecedor também é dito no documento da congregação dos religiosos onde se afirma que “o reconhecimento positivo da diversificação de modelos e estilos de vida fraterna constitui hoje um dos resultados mais significativos do sopro inovador do Conselho“.[ii] Há aqui a admissão implícita de que nelas há traços de realização que devem ser valorizados também pela vida religiosa, pois se baseiam em categorias contemporâneas nas formas de abordagem e comunicação, de espontaneidade e imediatismo.

Tudo isso decorre da observação de que ainda hoje, em um mundo de inquietação e inospitalidade, existe uma nostalgia de relações pessoais e comunitárias que se expressa em particular na propagação de grupos, movimentos e associações em que o paradigma antropológico assumiu consistência e visibilidade histórica.

Onde há evidência de ser “um só coração e uma só alma” (Atos 4:32)

Não há comunidade sem um verdadeiro “encontro”, e essa comunidade se torna comunhão, “sacramento” de salvação, onde e quando há aquela verdadeira comunicação que se torna verdadeira “partilha”. Segue-se que não há comunidade naquelas formas que apresentam uma dinâmica relacional com Cristo e com outras tão fracas que parecem ter a ver apenas com algo organizacional e administrativo, com tensões sobre nada, ao invés de espaços de humanidade serena, que transmitem o desejo de encontrar e estar com os outros.

O Papa Francisco insiste particularmente em ser fraternidade, não aquela entendida apenas no sentido espiritual-universalista, institucional, mas aquela que se expressa através da “proximidade”, aquela concebível como modelo de relações entre pessoas com as quais é possível ter relações positivas, uma comunicação franca, sem falta de empatia, ou seja, com a capacidade de perceber o que a pessoa que está perto de mim pensa, sente, quer: é assim que a Igreja pode mostrar seu rosto generativo.

Somos, portanto, chamados a submeter à crítica histórica muitos dos pressupostos culturais que trouxemos de outros tempos, um dos quais é o de identificar a koinonia (vida em comunhão) com a vida sob o mesmo teto, como se houvesse o último, como se houvesse também necessariamente o primeiro. Daí o perigo, especialmente para aquelas comunidades com um grande número de membros, de confiar numa concepção coletivista para a qual seria o sistema de valores que os manteria unidos e isso seria suficiente para reconhecer uns aos outros como irmãos e irmãs, independentemente da qualidade e do número de comunicações diretas.

Portanto, a questão séria para a vida religiosa hoje é relançar o Evangelho da fraternidade em uma nova base, porque amanhã será para aquela vida religiosa que sabe assumir formas de trabalho abertas a sonhos flexíveis, ricas em imaginação e sabedoria evangélica.

O que uma pessoa religiosa deve ver!

A vida religiosa é agora oferecida a oportunidade de recuperar sua capacidade fecunda, com a capacidade de dizer Deus de uma nova maneira, e de fazê-lo aparecer em sua beleza acolhedora e hospitaleira do humano, através de pessoas cuja maneira de viver mostra que acreditar não significa ser dominado pela humanidade, vitalidade, beleza, espontaneidade, mas sim fazê-la explodir em plenitude. Pessoas cuja espiritualidade está em harmonia com a vida, expressa com modelos evangélicos que desafiam o homem pós-moderno em vez de padrões de espiritualidade carentes de originalidade, sobrecarregados de formas devocionais à deriva, desconfiados da sociedade e das novas correntes espirituais experimentadas. Hoje o foco não está nos “rótulos”, mas na evidência evangélica, que é definida como tal pela vida em ação, mostrando quão viva é a ação do Espírito Santo.

Somente se isto se tornar visível será possível oferecer frutuosamente, especialmente aos jovens, a possibilidade de compartilhar a experiência da busca de Deus e da fraternidade, ou seja, de viver com os outros, além do espaço da própria casa, dentro de um convívio e de um exercício coletivo de humanidade que evite o risco de ser superado pela homologação e pela solidão.

[i] Francisco, Carta Apostólica a todas as pessoas consagradas por ocasião do Ano de Vida Consagrada 21 11.14 n.2

[ii] Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, Rejoice, 2014 Vatican ed, Scrutinize, LEV, 2014, no.4.

Testimoni é uma revista mensal, publicada pelo Centro Editoriale Dehoniano, com sede em Bolonha, Itália. A sua tiragem actual anda à volta dos 4.000 exemplares. Está também online.

É uma revista de informação, espiritualidade e vida consagrada. Há mais de 35 anos que está ao serviço da vida consagrada dando especial atenção à actualidade, à formação espiritual e psicológica, à informação sobre os acontecimentos mais relevantes da Igreja e dos institutos religiosos masculinos e femininos

Artigo disponível em:

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para