20 dezembro 2021
20 dez 2021

“Tenho o prazer de exercer meu ministério como Bispo SCJ”

“Tenho o prazer de exercer meu ministério como Bispo SCJ”
Entrevista com Dom Zolile Peter Mpambani scj, Arcebispo de Bloemfontein na África do Sul, que recebeu o pálio em 11 de dezembro.
por  Boris Igor Signe, scj
email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Sua Excelência Dom Zolile, tomamos conhecimento com grande alegria da notícia de sua imposição do pálio em 11 de dezembro em Bloemfontein, a Arquidiocese da qual o senhor é o pastor. Em que consiste realmente esta cerimônia de “imposição do pálio”?

A cerimônia consiste na imposição do pálio, que deveria ter sido feita no dia da minha instalação na diocese; no entanto, devido à Covid-19 que causou várias limitações, ela foi adiada, e o 11 de dezembro foi finalmente a data escolhida. Esta é uma cerimônia que, fundamentalmente, deveria ter a participação dos fiéis da Arquidiocese, mas novamente devido à pandemia, convidamos pessoas também de fora da Arquidiocese. O pálio é imposto no início da Santa Missa, e depois a celebração continua como de costume.

Qual é o significado do pálio?

Talvez antes de podermos dizer qual é o significado do Pálio, talvez seja importante dizer o que é um Pálio… Segundo a Igreja Católica Romana, é uma vestimenta constituída por uma faixa que envolve os ombros com duas lapas penduradas na frente e atrás, com cruzes negras. É usado pelo Papa e pelos Arcebispos metropolitanos com simbolismos diferentes: Usado pelo Papa, simboliza a “plenitude do ofício pontifício”; usado pelos Arcebispos, simboliza a participação no supremo poder pastoral do Papa, que concede-lhes para as suas próprias províncias eclesiásticas como símbolo da jurisdição delegada a eles pela Santa Sé. Significado: Já no século VI, o Pálio era considerado um paramento litúrgico a ser usado somente na igreja, e de fato somente durante a Missa, a menos que um privilégio especial determinasse o contrário. Por outro lado, quando usado pelos metropolitanos, o pálio significava originalmente simplesmente união com a Sé Apostólica, e era um ornamento que simbolizava a virtude e a posição de seu portador (fonte: Wikipedia).

Após apenas três meses como Superior Provincial dos Sacerdotes do Sagrado Coração na África do Sul, o senhor foi nomeado Bispo da Diocese de Kokstad em 6 de maio de 2013. Sete anos depois, foi nomeado Arcebispo de Bloemfontein, a Arquidiocese que governa há um ano e meio. Como o senhor vivencia seu episcopado como religioso SCJ?

Em primeiro lugar, penso, como todo mundo, que não esperava um dia ser bispo. Gostei mais do trabalho que fiz como formador e mais tarde como pároco antes de ser eleito Superior Provincial dos SCJs e durou apenas três meses. Devo dizer e reconhecer a experiência que tive como Conselheiro Geral de 1998-2003. Isso, aliado à minha experiência como formador, desempenha um grande papel no meu episcopado, que é basicamente lidar com pessoas todos os dias do meu ministério. Ele busca muita compreensão e humildade e, ao mesmo tempo, pode não ser ingênuo. Minha formação como religioso desempenha um grande papel em minha vida como bispo, mais especialmente quando se trata de disciplina de oração, vida comunitária e compreensão das diferentes pessoas com quem estou trabalhando e interagindo. Em resumo, estou feliz em exercer meu ministério como bispo SCJ.

O país de Nelson Mandela tem sido caracterizado nos últimos anos por múltiplas crises, incluindo manifestações violentas, saques generalizados, o surgimento de movimentos xenófobos… Como os bispos sul-africanos reagem a essas crises sociais? A voz da Igreja é ouvida na África do Sul?

Como já haviam sido mesmo durante o tempo do apartheid, os bispos são muito eloquentes sobre todas as situações, especialmente as que não favorecem a igualdade, a violência e outras formas de opressão e negligência. A Conferência dos Bispos Católicos da África do Sul, desde há muito tempo, tomou a decisão de falar como um coletivo em vez de individual, pois eles acreditavam que isso teria mais impacto sobre o governo, o que de fato tem. Não há nenhuma situação que eles deixem passar sem emitir uma declaração. Acontece que as pessoas gostariam de vê-los e ouvi-los falar na TV, principalmente os católicos. Sim, de vez em quando eles aparecem e falam na TV, mas tais plataformas aqui são basicamente dirigidas pelo Estado e não é muito fácil aproximar-se. É lamentável que sejam feitos apelos às Igrejas, mas muito pouco é feito, se é que é feito, do que eles recomendam. Admito que talvez a Igreja precise ser mais pró-ativa do que reativa e suportar as conseqüências disso, sejam elas quais forem…

Algo relativo ao seu ministério pastoral em Bloemfontein que gostaria de compartilhar?

É uma vantagem que toda a diocese usa apenas dois idiomas: sesoto e inglês. Não temos que ir até o fim traduzindo ou até mesmo mudando de idioma durante a celebração da Santa Eucaristia. A Arquidiocese foi bem treinada em termos de auto-sustentação, o que é uma coisa muito grande, mesmo que ainda precise ser polida aqui e ali. O único desafio agora no que diz respeito a isso é a Covid-19, que deixou muitas pessoas desempregadas e com muitos desafios financeiros. Isto também faz a Igreja sofrer como conseqüência. Pastoralmente, o número de pessoas está reduzido drasticamente devido ao medo da pandemia, mas há aqueles fiéis que vêm regularmente. Há muita cooperação na Arquidiocese e há um grande potencial pastoral e isso me faz sentir feliz de ser o Bispo nesta Arquidiocese. Assim, na imposição do pálio, que também é uma espécie de acolhida na Arquidiocese, vimos todos juntando as mãos para fazer da cerimônia e da celebração um sucesso, graças a todos. Por fim, agradeço-lhes pela oportunidade de compartilhar minhas opiniões. Bênçãos sobre vocês!

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para