11 janeiro 2022
11 jan 2022

Uma lição a não ser esquecida

Um novo ano começa. Vamos reler 2021 à luz da fé.

por  Anna Maria Gellini

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

O ano de 2021 foi difícil, marcado pela pandemia, por graves injustiças, violências, conflitos, um ano que revelou dificuldades pessoais, sociais, econômicas, eclesiais; alimentou medos, perplexidades, desvios de pensamento e moral. Acelerou processos que já existiam, que não conhecíamos ou não queríamos conhecer e assumir a responsabilidade: situações familiares dilaceradas, poluídas, destruídas; trabalho sem justiça; sofrimento físico, psíquico, espiritual, doenças nem sempre amparadas pelo respeito à vida e à pessoa, fragilidade, solidão, abandono, traumas graves no viver e no morrer.

A eclosão da pandemia bagunçou muitos programas, impôs o essencial, obrigou-nos a encontrar novas formas de comunicar, abriu-se para assumir responsabilidades e gestos generosos de cuidado, mas também deixou muitas pessoas humilhadas, confusas, inseguras, amedrontadas também como arrogância acentuada, violência, individualismo, indiferença.
Devemos consertar este mundo, curar corações feridos, remediar as deformações do bem-estar que os tornam tolos, agressivos, pessimistas. Não é problema de ninguém, mas de todos.

Uma lição para não ser esquecida

No dia 27 de março de 2020, no adro da Basílica de São Pedro, o Papa Francisco deu uma lição a não ser esquecida: “Não somos autossuficientes, sozinhos; sozinhos afundamos: precisamos do Senhor como os antigos navegadores das estrelas. Convidemos Jesus para os barcos de nossas vidas. Confiemos a Ele nossos medos, para que os vença. Como os discípulos, experimentaremos que, com Ele a bordo, não há naufrágio. Porque esta é a força de Deus: transformar em bem tudo o que nos acontece, mesmo as coisas ruins. Ele traz serenidade às nossas tempestades, porque com Deus a vida nunca morre. O Senhor nos desafia e, em meio à nossa tempestade, nos convida a despertar e ativar a solidariedade e a esperança, capazes de dar solidez, apoio e significado a estas horas em que tudo parece naufragar”.

Se não aprendermos a nos tornar novamente humanos, se não superarmos aquele analfabetismo que nos fez esquecer a gramática do diálogo, que poluiu e corrompeu tantas relações, a terra será cada vez mais aquele “canteiro de flores que nos torna tão ferozes” (Dante – Paradiso XXII, 151).

O nível universal da paz, da solidariedade, da cooperação, nas sociedades e entre os povos, é fruto do compromisso e da transformação. Os acordos de paz entre os parceiros sociais em conflito ou entre Estados são indispensáveis, mas não suficientes. São indispensáveis, porque o primeiro passo para a paz é a extinção do conflito; insuficientes, porque a paz “não é a mera ausência de guerra” (Gaudium et spes, n. 78).

Enquanto os poucos privilegiados do mundo desfrutarem da riqueza e do supérfluo e milhões de seres humanos não tiverem o indispensável para viver, haverá lutas e conflitos; enquanto o direito à vida não for reconhecido para todos, da concepção à morte natural, não haverá respeito e dignidade; enquanto milhares de pessoas forem forçadas a fugir dos países em que nasceram, na esperança de encontrar sua fortuna em outro lugar, persistirão problemas, atrasos, dificuldades e perguntas preocupantes sobre o presente e o futuro, com respostas insuficientes e previsões deprimentes.

Re-orientar o olhar, re-centrar a vida

No Pentecostes de 2020, Papa Francisco disse: “O nosso princípio de unidade é o Espírito Santo. Ele nos lembra que, antes de tudo, somos filhos amados de Deus; todos iguais, nisto, e todos diferentes. O Espírito vem até nós, com todas as nossas diferenças e misérias, para nos dizer que temos um só Senhor, Jesus, um só Pai, e que por isso somos irmãos e irmãs! Comecemos daqui, olhemos para a Igreja como o Espírito faz, não como o mundo faz. O mundo nos vê como de direita e de esquerda, com uma ideologia ou outra; o Espírito nos vê como do Pai e de Jesus. O mundo vê conservadores e progressistas; o Espírito vê filhos de Deus. O mundo vê estruturas que precisam ser tornadas mais eficientes; o olhar espiritual vê irmãos e irmãs implorando por misericórdia. O Espírito nos ama e conhece o lugar de cada um de nós no todo: para Ele não somos confetes carregados pelo vento, mas peças insubstituíveis de Seu mosaico” (23 de maio de 2020).

Parece que ainda não entendemos o fermento que Jesus nos dá e, muitas vezes, ainda procuramos o dos fariseus e de Herodes e depois nos sentimos perdidos!

Todos nós fomos humilhados. É hora de nos tornarmos mais humildes! E enfrentar a escuridão do mal, sentindo em nós a força do Senhor que faz novo o que é velho.

O Ano Novo nos pede para recomeçarmos em nossa vida diária com a certeza de que não só a salvação é possível, mas que ela está presente.

Cada ano novo é um ano já salvo, e não desde a meia-noite de 1º de janeiro, mas por mais de dois mil anos, desde que o Salvador, Jesus, entrou e habita no mundo.

Cada novo ano é um tempo de graça, no qual a verdadeira força da humanidade é a presença de Deus. Celebrando as solenidades do tempo de Natal, a Igreja nos lembra que também neste novo ano, aconteça o que acontecer, Deus está presente, Deus é Emmanuel, Deus está conosco.

Certamente, as sombras da história pessoal e mundial nos instilam a tentação de pensar que este mundo não está salvo, mas abandonado à infelicidade, ao desespero e à morte. Em vez disso, também estas sombras clamam a Jesus, e nós cristãos temos a tarefa de invocar sua presença e sua intervenção sobre a fragilidade humana que Deus já abraçou, de Belém ao Calvário: invocá-lo através da oração, mas também com a disponibilidade de nos deixarmos interpelar para criar espaços onde a fé possa ser acolhida e aberta à esperança.

Um exercício de esperança é curar e restabelecer relacionamentos, purificar palavras, eliminar as mentiras para fazer triunfar a verdade sobre nós mesmos e sobre os acontecimentos, regenerar valores humanos e cristãos, experimentar a proximidade e a fraternidade na ajuda às muitas emergências que marcam nosso tempo, recriar comunidades vivas que celebram, proclamam e vivem a caridade.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para