31 agosto 2020
31 ago 2020

Dehonianos encarcerados na Bielorrússia 

© photo credit: Artem Podrez

Dois dehonianos têm sido vítimas da repressão do governo bielorrusso. Eles são culpados por compartilhar o protesto de centenas de milhares de pessoas exigindo justiça e direitos. Reunimos seus testemunhos e um Apelo à Congregação.

por  Sergio Rotasperti

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

“É muito difícil dizer em poucas palavras o que experimentamos… Estávamos com o nosso povo, com as pessoas, assim como o nosso fundador, P. Dehon, esteve próximo ao povo durante a sua vida. Experimentamos a injustiça, provamos o medo, entretanto nos sentíamos profundamente unidos em Deus”…

Este é o breve testemunho de um dos dois confrades dehonianos que foram vítimas da repressão ainda em curso na Bielorrússia. Por razões de segurança, seus nomes permanecem anônimos. Detidos na prisão junto a muitos outros, eles foram libertados após uma semana. Eles ainda não superaram o trauma e o choque psicológico, mas continuam a dar testemunho ao lado do povo.

Os dehonianos na Bielorrússia estão engajados no trabalho social, realizando o ministério paroquial e neste momento se solidarizam com as vítimas, rezando por elas. Eles nos contam: “Uma grande mudança aconteceu e está acontecendo no coração e na mente do povo bielorrusso. O povo está unido contra a ditadura. Estão ocorrendo perseguições, mas unidos a todas as igrejas cristãs, aos nossos irmãos e irmãs judeus e muçulmanos, estamos procurando uma maneira diferente de vencer violência e proteger os direitos do povo”. 

O que está acontecendo na Bielorrússia? 

A Bielorrússia está passando por um dos momentos mais críticos de sua recente história social e política. Uma série de manifestações e protestos populares ainda estão ocorrendo contra o governo bielorrusso. O presidente Aljaksandr Lukašėnka, descrito como “o último dos ditadores” na Europa desde 20 de julho de 1994, foi reeleito para o sexto mandato consecutivo durante as eleições presidenciais de 9 de agosto de 2020. Ele é acusado de fraude eleitoral, corrupção, recusa em tomar medidas de segurança contra a pandemia da COVID-19, repressão da oposição e censura à imprensa. 

Centenas de milhares de pessoas saíram às ruas para exigir justiça e novas eleições. As Nações Unidas estão acompanhando com preocupação o desenrolar do caso, a União Europeia condenou a violência policial após as eleições e declarou que “não aceita os resultados das eleições”. Pelo contrário, outras potências mundiais, como a Federação Russa e a China, parabenizaram Lukašėnka logo após as eleições.

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos condenou a repressão, a prisão e a tortura ocorrida após os protestos populares.

Um forte apelo

Durante o Angelus de 16 de agosto, o Papa Francisco fez um forte apelo ao diálogo contra a violência: “Acompanho de perto a situação pós-eleitoral neste país e apelo ao diálogo, à rejeição da violência e ao respeito à justiça e ao direito”.

Nossos confrades dehonianos também fazem um forte apelo à Congregação: “Pedimos à Congregação a oração e o jejum pela Bielorrússia.  Esperamos que tal apelo não passe despercebido. 

 

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter