04 setembro 2020
04 set 2020

Reunidos em nome do Senhor

por  Gonzalo Arnáiz Álvarez, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

O Evangelista Mateus (18:15-20) abre em c. 18 um discurso comunitário que tem como objeto a vida interna de sua comunidade eclesial, advertindo sobre os perigos e dando instruções disciplinares a serem aplicadas nos momentos de dificuldade. É precisamente o que é proclamado no Evangelho de hoje que faz parte destas instruções para lidar com os conflitos dentro da vida comunitária.

Podemos distinguir três partes: a primeira refere-se ao conflito; a segunda ao poder de resolver esse conflito; e a terceira indica a fonte de onde vem esse poder.

O mais importante dos três é o terceiro: “Onde dois ou três estão reunidos em meu nome, lá estou eu no meio deles”. Esta declaração é central para a vida da Igreja. A comunidade eclesial é assim na medida em que está reunida em nome do Senhor. Isto é constitutivo e essencial. A marca da comunidade eclesial é que ela está reunida em nome do Senhor, e Ele está presente em seu meio. Uma presença viva e eficaz.

A Eucaristia começa sempre em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. O sinal da cruz não é uma indicação de que estamos prestes a começar, mas é propriamente o início e o fundamento dessa celebração. Devem ser as primeiras palavras do presidente da assembléia, em cada celebração litúrgica, e devem ser realizadas com toda a intensidade e solenidade possíveis. Note-se que isto não é uma formalidade, mas sim o início da celebração.

Pois o Senhor está presente e em nosso meio é possível e certo o que foi afirmado na segunda parte: “Tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que perderes na terra será solto no céu”.  No capítulo 16 de Mateus, estas palavras são dirigidas apenas a Pedro; mas neste capítulo 18, com as mesmas palavras, é constituída a comunidade com esses poderes. Estou ciente de que as palavras sobre Pedro quase sempre foram enfatizadas e estas palavras sobre a comunidade quase nunca foram enfatizadas. É a igreja inteira, é a comunidade eclesial que goza deste poder, e pode e deve exercê-lo. No início da missa rezamos o “Confesso diante de Deus Todo-Poderoso e diante de vocês, meus irmãos…”. Existe a comunidade e antes dela confessamos nossos pecados.  Pedimos a intercessão de toda a comunidade junto com todos os santos, para que Deus nos perdoe. Mas, ao mesmo tempo que a intercessão, nossa intenção de perdão também está unida. Perdoem a cada um de nossos irmãos, reunidos para a celebração da Eucaristia.  É que, pedir perdão não é fácil, mas conceder perdão pode ser muito mais difícil. É por isso que acrescentaremos a esta oração mais tarde no “Nosso Pai”, “perdoai-nos nossas dívidas como nós perdoamos a quem está endividado”. O perdão de Deus torna-se efetivo em nosso coração quando também perdoamos de nosso coração aqueles que pecaram contra nós.

E é aí que entra a primeira parte do Evangelho: “Se um irmão seu pecar contra você”. Para resolver esta questão de “pecados, imperfeições, abandono” dentro da comunidade, Mateus pede a ajuda de todos de forma gradual para trazer o “pecador” de volta ao curso normal da vida comunitária. É realizado um processo de autêntica correção fraterna. Mas isto só pode ser feito se a vida fraterna da comunidade for realmente dada ou se os passos anteriores que indicamos forem cumpridos. A vida fraterna em comunidade não pode começar com a correção fraterna. Para consegui-lo, é necessário ter crescido no exercício da caridade. Quando isto acontece, a alegria do perdão é reconfortante, regeneradora e faz com que se entre numa festa. O sacramento da reconciliação deve se assemelhar a isto.

São Paulo para os Romanos (13, 8-10) nos exorta a viver do amor. Não devemos nada a ninguém, a não ser amor. Aquele que ama não prejudica o próximo, então amar é cumprir toda a lei.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter