11 setembro 2020
11 set 2020

Perdoar 70 vezes 7

© photo credit: Julie Gibbons
por  Gonzalo Arnáiz Álvarez, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

O Evangelista Mateus (18, 21-35) segue sua catequese à comunidade eclesial, a fim de ajudá-la a crescer em sua vida cristã. Se no domingo passado ele nos falou sobre correção fraterna, hoje ele nos fala sobre a necessidade de perdão e, sobretudo, sobre o alcance do perdão.

Para isso, ele recorre à parábola do rei e do servo incompassivo, que Jesus contou a Pedro, a partir de uma pergunta que ele lhe fez sobre as vezes que se deve estar disposto a perdoar. Pedro pergunta sobre os limites do perdão, mesmo sabendo que os escribas já haviam indicado o limite em quatro vezes. Ele afirma “sete”, que é uma forma de dizer “muitas vezes ou quase sempre”. Jesus o encoraja a ir um pouco mais longe, reafirmando ou redobrando o “sempre”. Para o perdão não existe limite e é necessário perdoar o irmão todas as vezes.

Esta exigência de perdão contínuo parece ser uma utopia ou uma impossibilidade; parece colocar a fasquia muito alta, para que a pudéssemos alcançar, mesmo sabendo que nunca o conseguiremos de todo.

É claro que Jesus não estabelece padrões altos ou baixos; Ele sempre convida a algo que é possível, se nos colocarmos e entrarmos na dinâmica de Deus. E para isso ele propõe a parábola do servo malvado, onde tudo é exagerado. Uma dívida enorme e impagável e outra bastante acessível. Um mestre ou rei que perdoa tudo por compaixão e um servo que é incapaz de perdoar uma bagatela, mesmo depois de ter sido favorecido com o maior dos perdões.

Para Jesus, o modelo é sempre “O Pai” e ele nos convida a ser como o Pai. Para saber como e quanto perdoar, devemos lançar nossos olhos para Deus. E Jesus diz de Deus que ele sempre perdoa. Que o nome de Deus é Misericórdia e que Ele sempre perdoa – sempre (70 vezes 7). E que o perdão de Deus vai sempre em frente e é incondicional de sua parte. Isto significa que, por outro lado, deve haver uma certa atitude.

O discípulo conhece a si mesmo e conhece este perdão de Deus em sua pessoa. Ele reconhece ou nós reconhecemos diante de Deus que estamos em dívida com ele por muitas coisas e que também fomos infiéis e pecadores muitas vezes. O Senhor perdoa nossas dívidas.

É esta experiência de perdão que leva imediatamente ao perdão dos irmãos. Como fui perdoado, assim eu perdoo. Deus sempre me perdoa; eu sempre perdoo. Nós perdoamos nossos devedores.

É o pedido do “Pai nosso”. Perdoe-nos nossas dívidas como nós perdoamos a nossos devedores. Que não é uma afirmação condicional, mas uma afirmação de que os dois perdões vão juntos; que um leva ao outro; e que se o segundo não acontece, é porque não aceitamos nem experimentamos primeiro o perdão de Deus.

A barreira do perdão não está em Deus, mas em mim que não aceito esse perdão e eu me torno incapaz de perceber esse perdão. Nem uma vez, nem mil vezes. Eu não consigo sair da minha casca. Ainda estou envolto em ódio e violência. Eu sou agressivo e ofensivo. Eu realmente me torno “lobo” para o homem.  Eu sou impaciente, destruo e quebro a comunidade.

Dizemos freqüentemente que a pessoa que não experimenta o amor livre de seus pais, dificilmente poderá ser livre para os outros e se inserir facilmente em uma comunidade fraterna e humana. Aqui dizemos a mesma coisa. Quando o amor é exercido em misericórdia e perdão, se alguém não aceita ser perdoado ou não reconhece que precisa de misericórdia e perdão, dificilmente será capaz de perdoar, exceto por conveniência ou aparência; mas nunca um perdão que vem do coração.

E o quanto precisamos de perdão! Perdoar e ser perdoado. Em nossas comunidades eclesiais e em nossas comunidades naturais ou sociais, vemos que nem tudo é perfeito e que há muitas falhas e lacunas nas relações interpessoais. Precisamos sentir a necessidade do perdão. Tanto para pedir perdão como para perdoar. Não é fácil perdoar; não é fácil pedir perdão. Mas é necessário exercitá-lo e as coisas logo irão muito melhor para nós.

O perdão é sempre possível. Aquele que está fechado para perdoar, apenas acumula ódio, e passa a destruir a si mesmo e ao seu semelhante. Ele pode pensar que está salvando sua honra, mas está corroendo seu coração e sua capacidade de amar e de se relacionar.

Não será fácil para uma pessoa machucada e ferida pela violência, desprezo e abuso abrir-se para o perdão radical. É necessário um processo de cura e libertação. Mas no final do processo, será melhor conceder o perdão do que manter a separação para sempre.

Humanamente pode parecer impossível ou pelo menos bastante difícil; mas se entrarmos na dinâmica da fé e do amor, e aceitarmos este amor misericordioso de Deus por nós e nos deixarmos atrair por ele, então as colinas e os vales serão suavizados. Nossos corações estarão abertos ao perdão e à misericórdia para com nossos semelhantes. Seremos profetas de amor e servidores da reconciliação dos homens e do mundo em Cristo.

 

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter