21 abril 2021
21 abr 2021

Uma vida dedicada para dar dignidade às mulheres

No dia 18 de abril passado comemoramos o centenário do nascimento do Dehoniano Padre Erminio Crippa. Uma vida passada em compromisso social em apoio às crianças e na luta pelos direitos das mulheres trabalhadoras.

por  Don Francesco Poli

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Nascido em Cedegolo (BS) em 18 de abril de 1921, Padre Erminio Crippa começou a frequentar a Escola Apostólica Dehoniana em outubro de 1932 e concluiu seus estudos teológicos, tornando-se padre em 1947.

Naqueles anos a Itália tinha acabado de sair da guerra e estava em uma situação desastrosa, tanto do ponto de vista material quanto moral. Nas cidades havia muitas crianças órfãs pela guerra ou crianças dos muitos soldados que haviam retornado a seus países.

Compromisso social para menores em dificuldade

Diante dos graves problemas resultantes, Padre Enrico Agostini, apoiado por outros confrades do Escolasticado de Bolonha, lançou a idéia de fundar, junto ao Instituto, um centro que reunisse aquelas crianças em condições de dificuldade social, a fim de oferecer-lhes a possibilidade de construir um futuro seguro, preparando-as para uma profissão. O ideal é entusiasmante, mas faltam recursos econômicos para realizá-lo.

Assim, os Superiores Maiores decidiram enviar o Padre Crippa aos Estados Unidos para levantar os primeiros fundos necessários para a compra do terreno sobre o qual seria construído o que mais tarde seria chamado de “Aldeia das Crianças”. Na realidade, o Padre Crippa não dedicou muito tempo a este novo trabalho, de fato, após seis anos, aceitando a proposta do Padre Aurelio Boschini, mudou-se para Roma para trabalhar com a ACLI. Como vice-assistente nacional, ela se dedicou ao acompanhamento espiritual das empregadas domésticas.

Lutando pelos direitos da mulher trabalhadora

Ele acompanhou os “empregados domésticos” como um verdadeiro “pai”, mesmo durante os anos de protesto, empenhando-se com cuidado e preocupação para que a categoria do trabalho doméstico permanecesse sempre ligada à Conferência Episcopal Italiana e inspirada pelo ensinamento social católico. Mais tarde, em 1971, Padre Crippa tornou-se o consultor eclesiástico nacional da Api-Colf (Associação Profissional Italiana de Trabalhadores Domésticos), função que desempenhou até 1991. Graças a seu trabalho incansável, tanto na formação espiritual dos “ajudantes domésticos” como na solicitação aos órgãos governamentais para obter o reconhecimento legislativo correto, foi possível alcançar resultados significativos para esta categoria: a ajuda doméstica nasceu e se desenvolveu, os primeiros acordos coletivos de trabalho foram assinados, e o mundo político e os meios de comunicação de massa começaram a se interessar cada vez mais pelos “ajudantes domésticos”. A fim de consolidar e implementar estes objetivos, Padre Crippa foi a inspiração por trás de Federcolf, o primeiro sindicato para a categoria.

O olhar de fé

Para compreender a paixão, espiritualidade e ação social do Padre Crippa em favor dos empregados domésticos, basta reler o que ele escreveu em seu testamento espiritual: “Que o Sagrado Coração seja a rocha do meu descanso”. Que os ajudantes domésticos e os empregados domésticos sejam como eram na vida escritos em meu coração, que tenham a certeza de que todas as manhãs eu os abençoarei do céu e olharei para as famílias onde trabalham. Vou rezar por aqueles que rezam, vou rezar por aqueles que não rezam. Afinal, eu só te amei, só vivi para ti”.

Restaurando a dignidade da mulher

O Padre Crippa estava ciente de que para redimir o trabalho doméstico, era necessário partir da dignidade da mulher trabalhadora. Por esta razão, o treinamento será uma prioridade, pois é bem conhecido que a ignorância é a mãe de toda escravidão. Ele estava ciente de que seria necessário restaurar a dignidade a um papel, o das “domésticas”, resolvendo o problema psicológico que as tornava mulheres-pessoas de segunda classe. O Padre Crippa também estava convencido de que eles, os empregados domésticos, poderiam e deveriam ter se redimido por conta própria das muitas formas de escravidão, violência e injustiça que sofreram como mulheres no local de trabalho, assumindo responsabilidade social e política e através da autopromoção, libertando-se de todo paternalismo e sem delegar seus problemas a outros. Respondendo à pergunta: Por que estamos a mudança? O Padre Crippa indicou claramente os objetivos para os quais precisávamos caminhar: um registro profissional para dar dignidade a uma profissão; competência; assistência social e pensões; assistência mútua (todos objetivos quase utópicos para aqueles anos); fidelidade à Igreja através do compromisso social no mundo do trabalho doméstico.

Seus últimos anos

O Padre Crippa viveu seus últimos anos de doença com a oração e o testemunho sacerdotal. Ele morreu em Rocca di Papa (RM) como convidado da Casa Serena, uma obra que ele queria para a Associação. Era 24 de maio de 2000. “Um homem, uma ideia” é o título de um livro, publicado há alguns anos, que traça a história de Api-Colf, fortemente entrelaçada com a história humana e espiritual do Padre Crippa: um homem, um padre; uma idéia, a de dar dignidade à mulher e ao trabalho doméstico que hoje, após tantos anos, continua alimentando os sonhos e a ação de Api-Colf, assim como de Federcolf.

______

Impegno 4 (2021) 2.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para