21 março 2022
21 mar 2022

A renovação dehoniana (vista por um jovem sacerdote )

"Esse Capítulo (1966-1967) foi, em minha opinião, uma nova primavera para a vida consagrada e para nosso Instituto. Foi, como alguns já disseram, o início de uma verdadeira refundação."

por  Antonio dall'Osto

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Esta minha reflexão-testemunho começa com uma breve premissa: eu percorri todo o itinerário de minha formação inicial, até minha ordenação sacerdotal (1957), nos anos anteriores ao Concílio. Como jovem sacerdote pude ver toda a transformação ocorrida na Igreja e nos institutos religiosos com o Vaticano II, profeticamente definido pelo Papa João XXIII como um grande “novo Pentecostes”.

Durante as várias etapas de sua celebração, acompanhei de perto o trabalho do Concílio em Roma, em nome do então recente Centro Editoriale Dehoniano. Durante o Capítulo Geral de 1967, no qual o Pe. Bourgeois foi eleito Superior Geral, embora eu não fosse membro do Capítulo, fui encarregado do serviço jornalístico, juntamente com o Pe. Ledure, e enviei relatórios quinzenais por correio a várias comunidades da Congregação.

Esse Capítulo foi, em minha opinião, uma nova primavera para a vida consagrada e para nosso Instituto, polvilhado com o orvalho do Espírito, do qual floresceram “coisas novas”, agitadas por seu sopro vivificante. Foi, como alguns já disseram, o início de uma verdadeira refundação.

Em seu discurso final, o Pe. Bourgeois resumiu as “linhas mestras” e as “articulações” que haviam amadurecido durante o discernimento do Capítulo nos três pontos seguintes, que foram então destinados a ser a plataforma para toda viagem pós-capitular e para a chamada “adequada renovação” exigida pelo decreto “Perfectae caritatis” e pelo subsequente Motu Proprio “Ecclesiae Sanctae”, para o qual todos os institutos religiosos foram convidados a colocar suas mãos:

Relação entre a consagração e a missão

“Percebemos”, disse o P. Bourgeois, “que os dois aspectos não podiam ser separados”. Quer se tratasse da própria vida religiosa, quer se tratasse das atitudes específicas de oblação reparadora que a caracterizam em nosso Instituto, em um e outro reconhecemos e tentamos entender e destacar esta relação vital… Não há dois amores, mas é do fundo de nosso próprio amor ao Senhor, e da consagração que isso implica, que nossa missão é definida, da mesma forma que o amor ao próximo não se explicita senão partir do amor a Deus”.

Ao mesmo tempo, “a vida de união, a disponibilidade-abandono e o caráter reparador destas atitudes foram retomados nesta perspectiva de oblação e reconhecidos como… os frutos e a inspiração de nossa missão eclesial”. Isto é, como o elemento característico do testemunho que o Instituto, em sua ação apostólica, deve apresentar na Igreja”.

Vida comunitária e governança do Instituto

“Além das normas jurídicas indispensáveis, foi destacado o caráter propriamente evangélico da comunidade eclesial em geral e da comunidade religiosa”. As características desta comunidade evangélica são “a unidade e a comunhão no amor, o vínculo que é Cristo e o lugar de cada membro, definido não tanto de acordo com a hierarquia social, mas de acordo com sua relação direta e pessoal com o Senhor que nos congrega”. Vimos como isso poderia e deveria caracterizar nossas relações comunitárias, a estrutura de nossas comunidades, a divisão de responsabilidades, o exercício de direitos comuns, o caráter e o espírito de “governança” ou,  mais precisamente, a organização da vida comunitária”.

A renovação de nossa forma de vida e organização comunitária e uma concepção mais evangélica das relações humanas e da natureza e da função da autoridade.

Uma consciência renovada das exigências de alguns de nossos objetivos apostólicos e, sobretudo, da inspiração que deve guiar toda a nossa atividade.

Trabalho pós-capitular

Todo o trabalho pós-capitular dos anos seguintes – o do aggiornamento – se moveu e se desenvolveu em torno dessas três articulações, que agora encontramos expressas naquele “tesouro” que é nossa Regra de Vida, que une as Constituições renovadas e o Diretório Geral.

A ênfase não está tanto no termo “Constituições”, mas precisamente na “Regra de Vida” para indicar que nossa vida não é tanto um conjunto de normas a serem observadas, mas um caminho no seguimento de Cristo, como testemunhas do primado do Reino de Deus, unidas a Cristo em seu amor e em sua oblação ao Pai, participantes da missão da Igreja e chamadas a professar as Bem-aventuranças, atentas aos apelos do mundo.

Dentro desta perspectiva está nosso chamado a viver em comunidade, que deve ser uma “comunidade de vida, experenciada na “fidelidade à escuta da Palavra e à fração do Pão”.

Interessante é também a nova explicação do que entendemos por reparação: a velha concepção místico-intimista é superada: o n. 23 da Regra de Vida a define “como acolhimento do Espírito (cf. 1 Tes 4,8), como resposta ao amor de Cristo por nós, comunhão no seu amor ao Pai e cooperação na sua obra redentora no coração do mundo”.

Igualmente significativa é a renovação e a mudança de nossa oração diária, que deve se inspirar no espírito da Congregação, particularmente através do Ato de Oblação e Adoração Eucarística; ela deve se conformar à oração da Igreja, com a adoção da Liturgia das Horas, e deve “adaptar o conteúdo e a expressão de nossa oração à cultura e às necessidades de hoje, em consonância com as orientações da Igreja”.

As diretrizes sobre a vida fraterna em comunidade também são de grande importância: o binômio “superior-súdito” desaparece em favor da fraternidade e da corresponsabilidade, tendo em vista a missão comum.

O serviço da autoridade deve ser entendido não como o exercício do poder, mas como um “verdadeiro ministério” de natureza evangélica que encontra seu modelo em Jesus, o Bom Pastor.

No que diz respeito à formação, é enfatizada a importância de criar uma comunhão de vida, num ambiente de trabalho e serviço apostólico, no qual cada religioso se sinta interessado no trabalho formativo. Neste ambiente favorável, o candidato encontrará ajuda para o crescimento humano e espiritual de sua vocação.

“Na administração dos bens”, afirma-se com grande clareza, “como em toda a nossa vida, o Evangelho deve ser, para nós religiosos, a norma última e a regra suprema”.

A Regra de Vida, fruto da renovação solicitada pelo Concílio, é o resultado de vários anos de pesquisa e diálogo, primeiro nas Províncias e depois durante vários Capítulos Gerais. Ela representa para nós, como está escrito na apresentação da edição típica de 1986, o “Hoje de Deus”, nos diz como fazer nosso carisma dar frutos de acordo com as necessidades da Igreja e do mundo. Para cada um de nós é o livro que, a partir do Evangelho, nos lembra o essencial se quisermos viver fielmente nossa consagração religiosa”.


Breves elementos biográfico: Antonio Dall’Osto

Membro da Província ITS, colaborou durante os trabalhos do XV Capítulo Geral (1966-1967). Atualmente (2022), reside na comunidade de Bolonha I.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para