04 abril 2022
04 abr 2022

Um Capítulo cheio de tensões

"Sobrevivemos a este Capítulo somente pela graça de Deus e porque a Igreja tinha necessidade do carisma do Padre Leão Dehon. E se um SCJ pôde sobreviver a este evento, ele poderia sobreviver a qualquer coisa".

por  Bernard Rosinski, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Embora eu não seja um historiador e apenas marginalmente familiarizado com a história de nossa Congregação, minha opinião é que o XVI Capítulo Geral de 1973 foi um dos Capítulos mais polêmicos da história dos dehonianos. Ao dizer isto, tenho também em mente outro Capítulo famoso nos primeiros anos do Instituto, quando um pequeno grupo tentou remover P. Dehon de seu posto de Superior Geral. Perdoem-me pelo meu julgamento especulativo.

O XVI Capítulo Geral foi realizado em Roma entre 23 de maio e 7 de julho de 1973, há quase 50 anos. Sua principal função era eleger um Superior Geral; outra função importante era cumprir o Decreto sobre a Renovação da Vida Religiosa do Concílio Vaticano II: “Por isso, as constituições, os diretórios, os livros de costumes, de orações, cerimônias, etc., tudo seja revisto convenientemente e, pondo de lado as prescrições obsoletas, adaptem-se aos documentos deste sagrado Concílio.” Perfectae Caritatis 3 [A partir daqui, PC].

Naquela época eram muito presentes as expectativas expressas e não expressas do que o Concílio Vaticano II – concluído em 1965 – realizaria através de suas deliberações.  As expectativas eram tão divergentes que as pessoas esperavam que a Santa Sé “detalhasse” a forma como os vários decretos seriam implementados. As pessoas falavam frequentemente do “espírito do Vaticano II” sem nunca especificar o que o termo significava (por exemplo, rumores de padres casados, comunhão entre religiões, etc.). Muitas vezes, esses pontos de vista eram alimentadas por uma imprensa secular e por organismos com interesses particulares.

Entre os delegados SCJ eleitos para o XVI Capítulo Geral, parecia a este delegado-observador, que o conhecimento comum das conclusões do Capítulo anterior era, em grande parte, desconhecido. O meu certamente era. O precedente XV Capítulo Geral consistiu em duas longas sessões, ambas realizadas quase imediatamente após a conclusão do Concílio Vaticano II. A primeira sessão durou de 27 de abril a 25 de junho de 1966 e sua segunda sessão (um Capítulo Extraordinário durante o qual o P. Albert Bourgeois foi eleito para seu primeiro mandato como Superior Geral) durou de 10 de maio a 1 de julho de 1967. Se os delegados deste Capítulo procurassem responder à demanda de PC 3 e tivessem preparado qualquer material adequado em resposta, este delegado não estava ciente do fato. Não havia nenhum “anteprojeto” de uma Regra de Vida que nos tivesse sido dado para examinar. De fato, parecia que o XVI Capítulo Geral começava como uma tabula rasa.

As sessões capitulares aconteceram no lado norte do atual Colégio que, naquela época, era uma vasta sala. Os equipamentos alugados eram munidos de fones de ouvido e microfones junto aos assentos. Alguns SCJs serviram como tradutores, mas o número de idiomas disponíveis era reduzido. Pela primeira vez desde a sua fundação, em 1947, a província polonesa SCJ pôde enviar delegados a um Capítulo Geral. Esse fato foi anunciado aos delegados que responderam com um grande aplauso. Os delegados que não puderam ser acomodados no Colégio Internacional encontraram alojamento no Colégio Pio Latino.

O capítulo começou com os assuntos introdutórios previstos: normas de procedimento, agendas, relatórios, relatório sobre o estado da Congregação, etc. Esse observador ainda pode lembrar os nomes de dois dos três moderadores: os padres Oscar Scheid e Oliviero Girardi. O Comitê de Moderadores, que incluía o P. Bourgeois, teve o cuidado de explicar cada passo, à medida que o Capítulo avançava.

Os delegados foram divididos em grupos linguísticos e começaram a responder uma série de questões cuidadosamente elaborada e submetida a eles. As perguntas cobriam todos os vários elementos que compõem o que nós religiosos hoje conhecemos e entendemos como sendo Constituições, com algo novo suplemento: um Diretório para fornecer pormenores e especificações. A combinação de Constituições mais Diretório forneceria aos SCJs uma Regra de Vida. Após a discussão, esperava-se então que os grupos devolvessem os relatórios à assembleia capitular. Este método é um procedimento que muito provavelmente precedeu o XVI Capítulo Geral e é certamente a fórmula que tem sido utilizado desde então.

Os relatos que a assembleia ouviu dos grupos linguísticos relatores em 1973 rapidamente deram origem à noção de que havia duas percepções muito diferentes sobre o que deveria ser a vida religiosa, quando tentamos reescrever nossas Constituições. Tornou-se evidente quase imediatamente que alguns delegados e algumas delegações estavam enamorados das expectativas e opiniões expressas em revistas e outras publicações de grupos de interesse: por exemplo, substituir os votos por promessas; permitir aos religiosos casados, permitir aos leigos se unirem como casais; em quase todas as áreas da vida religiosa, parecia que alguns estavam interessados em chamar “obsoleto” quase tudo o que P. Dehon havia estabelecido em suas Constituições originais. Outros rejeitaram esse ponto de vista.

Um sociólogo resumiria a situação dizendo que a assembleia capitular havia se estruturado em dois grupos opostos, com um pequeno grupo tentando ser mediador da paz. Cada facção tinha seus locais preferidos para se reunir, para fazer recreação, para jantar. O discurso entre os membros do grupo consistia em grande parte em dizer: “Você ouviu isso e isso que tal e tal relatou em seu grupo linguístico?” A filiação a uma facção às vezes atravessava as linhas provinciais e regionais. Com lembretes frequentes do Comitê de Moderadores sobre a tarefa que nos foi dada de reescrever nossas Constituições na diretiva de PC 3, posso me lembrar de um delegado sentado e escrevendo um livreto de cinco páginas e propondo-o como nossas Constituições. Mais tarde, foi realmente feita uma tentativa de aprovar essa tentativa. Se eles pudessem ser assim nomeados, um grupo poderia ser chamado “não convencional” e o outro grupo “convencional”.

O antagonismo e o rancor que começaram a prevalecer, por causa da contrariedade e das oposições expressas publicamente nas assembleias gerais, transbordaram para o processo eleitoral. Houve uma tentativa séria e quase bem-sucedida de eleger outro SCJ no lugar do P. Bourgeois.  A novidade dessa tentativa consistiu em nomear como candidato uma pessoa amável e bem qualificada de uma pequena província. Ele imediatamente reconheceu que sua nomeação era uma manobra política e protestou publicamente contra este “scherzo”. Pode-se examinar a votação para testemunhar que o P. Bourgeois foi levado à última votação possível para obter os 50% +1 que ele precisava para ser reeleito. Da mesma forma, os membros do Conselho foram submetidos aos mesmos procedimentos humilhantes. Várias vezes, os delegados eleitos que foram propostos para indicação disseram que não se candidatariam à eleição e assim se recusaram a ser usados politicamente.

As discussões foram-se alternando. Algumas coisas foram acordadas, em sua maioria coisas de senso comum. Mas tudo o mais foi examinado, debatido, reexaminado e novamente debatido… em grande parte sem chegar a nenhuma conclusão. Sendo dos Estados Unidos, este observador recorda o trabalho que ocorreu na Filadélfia quando, em 1776, ocorreu a Declaração de Independência da Grã-Bretanha. O trabalho de redação do documento finalmente aprovado foi confiado no final a uma pessoa, Thomas Jefferson, porque os próprios delegados da assembleia não conseguiram chegar a um acordo sobre nada.

Embora o XVI Capítulo Geral tenha finalmente reeleito o P. Bourgeois como Superior Geral e lhe tenha dado um Conselho Geral, pouco fez para cumprir sua outra tarefa principal: a de reescrever as Constituições de acordo com o mandato de PC 3. A reeleição do P. Bourgeois como superior geral foi seu único mérito [1].

Este observador-delegado lembra dois eventos que simbolizavam toda a situação: (1) em um momento durante os debates da assembleia, o delegado polonês mais velho, aparentemente frustrado pela falta de progresso e pela divisão, correu da aula gritando em italiano “a Congregação está chegando ao fim”; (2) em outra ocasião, antes do início da primeira sessão da manhã, um dos tradutores SCJ com uma disposição muito válida tentou reduzir a evidente tensão presente ao fazer voar uma pomba impelida com a força de elásticos. Era a vigília de Pentecostes. E a pomba mecânica voou muito bem através da aula mergulhando e ondulando como uma pomba de verdade. Então, uma oração abriu a assembleia e a atividade se seguiu. No final desta sessão particularmente acrimoniosa, o SCJ reapareceu de sua cabine de tradução e tentou voar a pomba mecânica mais uma vez. Ela começou a subir e depois desceu diretamente para o piso da sala onde se espatifou. E todos os delegados, independentemente, ao saírem da aula, acenaram com a cabeça em reconhecimento ao simbolismo.

Por fim, o capítulo reconheceu seu fracasso e sabiamente aprovou a única coisa que podia: estabeleceu uma comissão com autoridade para redigir uma Constituição para o próximo Capítulo Geral a ser analisada e aprovada; deu autoridade ao Geral e seu Conselho para fornecer e aprovar um documento provisório. Posso me lembrar de duas das três pessoas selecionadas para servir no comitê de redação: Os padres Alfredo Carminati e André Perroux, ambos se recomendaram aos delegados por suas observações sensatas durante os debates e por sua neutralidade diante do facciosismo.

Sobrevivemos a este Capítulo somente pela graça de Deus e porque a Igreja tinha necessidade do carisma do Padre Leão Dehon. E se um SCJ pôde sobreviver a este evento, ele poderia sobreviver a qualquer coisa.


[1] Uma nota do Centro Studi Dehoniani: O Capítulo Geral, em 4 de julho de 1973, aprovou com 76 votos a favor e 2 votos contra um texto intitulado “Notre Règle de Vie”. Este texto, juntamente com outros documentos aprovados pelo Capítulo Geral, foi enviado às diferentes entidades para ser examinado e experimentado e constitui o núcleo do que hoje denominamos nossas Constituições (cf. Documenta IX, p. 32ss.). A este respeito, o Padre Rosinski pediu ao Centro Studi Dehoniani que publicasse esta declaração: “Quando li pela primeira vez o Documenta IX, depois que ele apareceu em 1975, mesmo então, tive dificuldade fazer a correspondência com o que ele dizia e com o que eu havia experimentado. E isto não foi muito tempo depois de o capítulo ter acontecido. Portanto, mesmo assim, não consegui conciliar minha experiência com o que estava escrito. E isso foi apenas dois anos após o capítulo. Lamento que minhas opiniões não coincidam com o que está escrito oficialmente. Além disso, não consigo me lembrar nem mesmo de ver os textos citados na página 20 da versão em inglês do “DOCUMENTS IX: XVI CAPÍTULO GERAL (AI-IV e BI-IV)” que nos foram dados para estudo. Dificilmente posso imaginar tal caso quando os delegados estavam propondo seus próprios textos, como a constituição de cinco páginas que um dos delegados ofereceu distintamente (e cujo nome eu me lembro mas não vou fornecer aqui). Confesso que passaram 49 anos e as lembranças e impressões se desvanecem. Estou disposto a afirmar que posso estar errado.”

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para