21 dezembro 2020
21 dez 2020

Carta conjunta das Províncias ITS e ITM

Por ocasião do centenário do nascimento da Província ITS, Pe. Enzo Brena e Pe. Ciro Moschetta, escreveram uma carta. Nós publicamos um extrato.

por  Enzo Brena, scj e Ciro Moschetta, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Nesses dias de dezembro, para todos os dehonianos italianos, a crônica torna-se história centenária. É uma história que se veste de pobreza, de acordo com as quatro páginas gastas e desbotadas do caderno que contém a primeira ata da recém fundada Província da Itália, há exatos cem anos, no dia 2 de dezembro.

A Província Italiana, portanto, teria cem anos, mas as atuais Províncias ITM (Província do Sul da Itália) e ITS (Província do Norte da Itália), criadas pela divisão de 1960, têm na realidade sessenta anos de existência. Observamos que nossos números se tornavam cada vez menores, muitas das casas que no passado eram instrumentos de crescimento para a abundância de vocações não existem mais, sobretudo as vocações são muito raras, para usar um eufemismo.

As mesmas grandes obras que constituíram nosso orgulho e nos permitiram servir a Igreja, o Povo de Deus e a Sociedade na Itália e nas Missões não existem mais. Em vez de gerar pensamentos de arrependimento estéril ou decepção presunçosa, a memória de um passado rico em bem, e também em erros humanos, pode e deve tornar-se uma ocasião de gratidão, para repensar e arrepender-se, se necessário.

Olhando para o século que passou, vemos também o grande bem realizado por aqueles que nos precederam, para quem poderíamos retomar a passagem do Sirach: “Louvemos, portanto, os homens ilustres, nossos ancestrais por geração. O Senhor lhes deu glória, sua grandeza apareceu desde o início dos tempos (…), homens conhecidos por seu poder, conselheiros por sua inteligência e anunciadores em profecia” (Sir 44, 1ss.).

Recordamos aqueles confrades que se consumiram em humilde serviço apostólico, escondidos e ricos em frutos diante de Deus, aqueles que morreram por causa da violência e da doença: na lista, acrescida ano após ano pelas secretarias provinciais até hoje, há um total de 376. Lembramos também aqueles que partiram para servir a Igreja no clero diocesano e aqueles que, tarde na vida, perceberam que eram chamados a outra vocação na sociedade.

Entre os dehonianos italianos, muitos colaboraram com a Santa Sé, com o governo central, com o Centro de Estudos; muitos iniciaram missões ad gentes (Portugal, Argentina, Moçambique, Madagascar, Albânia, Angola), obras sociais, províncias, regiões; muitos ensinaram crianças e jovens, foram professores de teologia e das Escrituras; alguns foram e são bispos; muitos outros foram irmãos cooperadores que compartilham a mesma vocação, cheios de mérito pelas muitas obras que generosamente realizaram. As publicações das editoras de Roma-Nápoles e Bolonha prestaram grandes serviços à Igreja e ao país, e o mesmo pode ser dito da TeleDehon.

A divisão da Província Itálica e a ascensão de ITM e ITS, que ocorreu em outros momentos, hoje provavelmente nos compromete a uma colaboração renovada e, acima de tudo, a reflexões livres de preconceitos e presunções. Como escreveu recentemente o Padre Geral: “não devemos perder de vista que ‘a qualidade de nossa vida religiosa e a eficácia de nosso apostolado dependem, em grande medida, de nosso constante esforço de adaptação e renovação'” (Cst. 104). Neste sentido, nossas estruturas organizacionais devem ser sempre uma ajuda e nunca um obstáculo. De fato, nossa Regra de Vida nos oferece muitas possibilidades neste sentido, tanto na definição do status jurídico da própria entidade quanto em sua organização interna, considerando, por exemplo, a criação de comunidades territoriais (cf. Cst. GD 73) ou repensando o status das casas (cf. GD 116.9) ou outras formas de presença. Nós, como Governo Geral, reafirmamos a todas as entidades nossa disponibilidade para acompanhá-las no discernimento destes processos. Continuemos nosso caminho para que nada nos impeça de viver com entusiasmo nossa dedicação ao Coração de Cristo na vida e na missão que compartilhamos. (cf. Prot. No. 0327/2020).

Caros confrades, recordemos também aqueles que tornaram possível nossas obras e nosso ministério na igreja com suas contribuições: benfeitores e benfeitoras, leigos e leigas que acreditaram em nossa missão e trabalharam conosco e para nós em escolas, educação social, vida paroquial, publicações, etc. Recordemos os membros da Família Dehoniana, as Irmãs de várias ordens religiosas que prestaram seu precioso serviço em nossas casas, assim como tantos funcionários de nossas casas. Devemos tirar deles e para eles também passagens das Escrituras sobre homens justos e mulheres fortes, e provavelmente devemos pedir desculpas a eles porque às vezes estivemos distraídos, curvados em autocontemplação e em atribuir a nós mesmos um bem que foi o trabalho de todos.

No Coração de Cristo encontramos a fonte sempre viva de nossa espiritualidade para ter um coração tão aberto e compassivo quanto o dele, acolhedor e solidário com todos. Que nossa vida de consagração e nosso serviço sejam uma contribuição diária para a construção do Reino de Deus (Adveniat Regnum tuum) e para a comunhão entre nós e com os outros (Sint Unum).

Que este centenário nos impulsione a uma jornada de fidelidade e conversão contínua para que juntos possamos contribuir para a missão da congregação, em comunhão e “saindo” com toda a igreja.

Unimo-nos aos pais que nos precederam no tempo, portanto, e com eles damos graças a Deus pelo bem que Ele fez através de nós e, às vezes, apesar de nós.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter