12 novembro 2020
12 nov 2020

Ensinando as águias a voar como águias

O Distrito da Índia enviou três dehonianos a um lugar de missão chamado Odisha, um estado indiano oriental na Baía de Bengal, conhecido por sua cultura tribal e por sua antiga tradição hindu. Diácono Manish SCJ um dos três pioneiros da missão explica sua experiência de missão e a vida do povo em Odisha (Índia).

por  Manish, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Tenho certeza de que muitos de vocês devem ter ouvido a história da águia que foi criada entre as galinhas. Um grande fazendeiro encontrou o ovo de uma águia em algum lugar da floresta, só Deus sabe como ele chegou lá; ele colocou o ovo debaixo de sua própria galinha que estava sentada sobre seus próprios ovos. Felizmente, a pequena águia eclodiu com sucesso do ovo juntamente com os outros ovos da galinha, dos quais nasceram pintinhos. Embora a águia parecesse maior do que os filhotes e sua plumagem fosse diferente, a galinha mãe a criou mesmo assim. A águia se misturou com os pintos, comeu ração de galinha, aconchegou-se com eles sob as asas da galinha-mãe para se proteger. Ela fez tudo o que uma galinha faria e se tornou mais uma galinha do que uma águia, mas fisicamente permaneceu como uma águia. Logo ela cresceu e se tornou marcadamente diferente da população de galinhas. Como uma águia, ela deveria voar alto e voar no céu, mas tinha totalmente uma mentalidade de galinha. Ela comia, brincava e dormia com as galinhas, apesar de ser uma águia. Biologicamente uma águia, mas social e mentalmente uma galinha, uma tola, se me permitem dizer, pois não estava à altura do seu potencial. Um dia uma grande águia voava, olhou para baixo e viu a águia no meio da galinha. Ela veio até chão e disse: “O que está acontecendo com você? Por que você está andando com as galinhas? Você é uma águia”. A jovem águia respondeu: “Não sei, nunca me dei conta de minha própria capacidade”. Então a águia adulta a atrai para o mundo da águia e a ensinou a abrir as asas e voar alto.

A tarefa do missionário é lembrar ao povo quem eles são em Jesus Cristo; eles são de fato os filhos de Deus. De fato, eles estão destinados às alturas. Seus problemas são como se tivessem passado a vida inteira como galinhas e não buscando o alto. Jesus diz: “Eu vim para que eles tenham vida e a tenham em abundância”. Santo Agostinho diz: “Deus se fez homem para que pudéssemos nos tornar deuses”. Penso que Santo Agostinho estava falando sobre o estado superior da vida com o qual somos abençoados através da encarnação, morte e ressurreição de Jesus Cristo, que somos filhos e filhas de Deus Pai, somos abençoados com toda a sorte de bênçãos espirituais, nos céus (Ef. 1,3). Nossa experiência na missão é contrária, no sentido de que milhares de pessoas são privadas de vida abundante. Elas experimentam escassez e pobreza, não são tratadas como filhos e filhas de Deus, nem se sentem também. Como uma águia, eles devem voar alto e voar no céu em todas as esferas da vida. Eles têm totalmente essa mentalidade de galinha.

Michael Benedict, P. Bhaskar e eu (três pioneiros) tivemos o privilégio de estar em Bisaguda (Paróquia Tentullikhunti, Odisha) para nossa experiência de missão. As pessoas possuem um número mínimo de coisas, não vão ao hospital se adoecem porque acreditam na magia negra, e os pais não promovem a educação das crianças porque pensam que é um desperdício de dinheiro. Como resultado, muitos jovens meninos e meninas são abandonados. Muitos jovens também são viciados em drogas, tabaco e álcool. Eles vagam sem visão e objetivos; embora sejam católicos, não conhecem a fé cristã, pois não há formação de fé cristã.

Nosso dever como missionários e religiosos é desempenhar o papel da águia adulta, que percebe a águia jovem em meio às galinhas, e fazê-los conhecer suas verdadeiras identidades, ajudar a abrir as asas e a voar alto. Precisamos ensinar às pessoas quem elas são em Cristo Jesus, que elas são os filhos e filhas de Deus. Precisamos ajudá-los a sair de seu mundo de galinha através da formação da fé, habilidades sociais e ajuda educacional, eles precisam mudar sua mentalidade de galinha para sonhar alto. Precisamos levar amor, humanidade e fé aonde quer que vamos e a quem quer que encontremos e não apenas nos concentrarmos no proselitismo.

Em Bisaguda não fizemos grandes coisas, nossos padres não estavam autorizados a administrar quaisquer sacramentos. Se nos focalizarmos em prestações de serviços e ações, seremos infelizes, encontraremos certos lugares de missão onde sentimos que nossas mãos e pernas estão literalmente amarradas, pois não podemos realizar nossos trabalhos pastorais por causa das restrições, regras e regulamentos do lugar em que estamos trabalhando. Mas se você souber estar com as pessoas mesmo que não faça nada, isso é suficiente para plantar a semente que pode crescer cem vezes no devido tempo. Jogamos críquete com eles, vamos à pesca, vamos à montanha para colher frutas e lhes damos aulas durante nosso tempo livre. Eu nunca soube que estávamos conquistando seus corações, estávamos plantando sementes. A aldeia inteira estava num estado de tristeza, lágrimas. Homens, mulheres e crianças choravam da mesma forma. Tanto amor e carinho estavam derramando por nós, que nos inundaram de presentes. Não foi por causa do que fizemos por eles, mas nossa simples presença e disponibilidade os tocaram, nossa simples maneira de viver entre eles os fez sentirem-se como um entre eles. Se você acha que a missão é fazer grandes coisas, então devemos nos lembrar do ditado de Santa Madre Teresa “Fazer coisas simples com muito amor”.

Um novo grupo foi formado para ir a Umerkote após um ano de experiência missionária em Bisaguda. P. Mathew, Dn. Sajith e eu viemos para Umerkote em 1 de setembro de 2020. Temos duas famílias cristãs católicas vivendo em Umerkote. Entretanto, elas são originárias de Kandhamal. Podemos ficar desapontados se nos apegarmos ao número. Temos que servir com alegria a quem Deus nos der, porque o próprio Jesus garante: “Onde quer que dois ou três estejam reunidos em meu nome, lá estou eu”. (Mt 18,20). Nossa tarefa principal era descobrir os católicos que deixaram a fé católica e se uniram a outras denominações. Jesus disse: “Porque o Filho do Homem veio para salvar o que estava perdido” (Lc 19,10). Nós visitamos suas casas e os chamamos de volta à fé cristã, a maioria deles está disposta a voltar à fé católica. Também levamos alimentos além do trabalho pastoral. Jesus continua se identificando com os famintos, “pois eu tinha fome e vocês me deram algo para comer, tive sede e vocês me deram algo para beber, era um estranho e me convidaram a entrar”. (Mt 25,35). Nós vamos em busca dos famintos na cidade de Umerkote e arredores e lhes damos comida, podemos ver o sorriso em seu rosto depois que eles recebem comida e é assim que proclamamos o evangelho.

Finalmente nossa experiência será como a de São Paulo que diz: “… quer comais, quer bebais, quer façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus.”. (1Cor 10,31). Devemos sempre lembrar que a missão não é nossa obra, mas é obra de Deus e nós somos seus instrumentos. Nosso dever não é sermos bem-sucedidos, mas fiéis à missão confiada aos nossos cuidados.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter