07 outubro 2020
07 out 2020

Os dehonianos norte-americanos refletem sobre os protestos

A pandemia COVID-19 é por si só um dos mais significativos desafios que o mundo tem enfrentado nas últimas gerações. É no meio da pandemia que o Black Lives Matter passou de uma hashtag das mídias sociais para um movimento global. Pedimos a vários dehonianos na América do Norte que refletissem sobre este momento da história.

por  Mary Gorski

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

É um eufemismo dizer que 2020 é um ano como nenhum outro. A pandemia COVID-19 é por si só um dos mais significativos desafios que o mundo tem enfrentado nas últimas gerações. No entanto, o vírus não é o único desafio. A injustiça de como o vírus afeta as pessoas de cor tem sido o catalisador que trouxe à tona muitas injustiças. É no meio da pandemia que o Black Lives Matter passou de uma hashtag das mídias sociais para um movimento global.

Considerado um dos maiores movimentos da história, os protestos do Black Lives Matter se espalharam e incluíram escolas, igrejas, empresas e até esportes profissionais.

Pedimos a vários dehonianos na América do Norte que refletissem sobre este momento da história. Em suas próprias palavras, eles compartilham seus pensamentos pessoais:

“Somos chamados a viver juntos na aceitação de nossas diversidades”

Gustave Lulendo N’dotony, SCJ, originário da República Democrática do Congo, é um cidadão canadense naturalizado. Membro da comunidade de Montreal, ele é o superior regional da Região Canadense. Ele escreve:

 Vindo de um país que experimentou a escravidão, a colonização, a ditadura e depois a guerra, é bastante natural reagir à discriminação, em todas as suas formas, e à injustiça, especialmente quando ela tende a ser institucionalizada. Com a maior consciência do movimento Black Lives Matter após a morte de George Floyd, vimos como a humanidade pode reagir e responder àqueles que possuem “anti-valores”. Black Lives Matter não é apenas mais um slogan, mas um plano de ação para denunciar ou mesmo erradicar o racismo. Diferentes vozes têm se levantado, buscando mudar as coisas no presente, mas acima de tudo, para criar um futuro melhor para toda a humanidade. O racismo é apenas a ponta do iceberg que esconde uma grande dose de discriminação. Lutar contra este flagelo em particular é um compromisso com a mudança.

Não se trata apenas de proteger uma minoria julgada pela cor de sua pele, mas do compromisso de toda a humanidade contra a discriminação baseada em sexo, religião e raça, só para citar alguns. É o objetivo de uma humanidade preocupada em tornar o planeta um lugar comum onde todos tenham os mesmos direitos fundamentais que promovem sua dignidade. Ficar em silêncio diante deste fenômeno é aceitar a exclusão e negar a uma categoria de pessoas o direito de existir.

Por vocação, somos chamados a viver juntos na aceitação de nossas diferenças – que podem se tornar oportunidades – em vez de nos determos no que nos diferencia.

Como Sacerdotes do Sagrado Coração, somos herdeiros de uma tradição fundamentada no amor e na aceitação do outro como um dom. O Sint Unum, caro ao nosso fundador, P. Dehon, pode assim tornar-se um trampolim e uma resposta ao problema da discriminação. Isto requer educação e o compromisso de todos com atos concretos em sua vida diária.

“Amai-vos uns aos outros; como eu vos amei” (Jo 13,34-35). Cabe a todos viver isto, onde quer que estejam, se quisermos experimentar a humanidade como a família que ela é.

“Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem”

John Czyzynski, SCJ, ex-superior provincial da Província dos Estados Unidos, é atualmente um membro aposentado da comunidade do Sagrado Coração no Monastery Lake em Franklin, Wisconsin (Província dos Estados Unidos). Assim escreve:

 Os protestos em curso nos Estados Unidos e ao redor do mundo me fizeram refletir muito sobre o que está acontecendo. Para mim, os protestos pacíficos sempre fazem sentido. As pessoas já viram o suficiente, e é hora de fazer algo para provocar mudanças. Eu posso facilmente entender e apoiar as pessoas marchando pacificamente nas ruas, pedindo reformas.

O que complica a questão é a violência e os saques que, às vezes, acompanham os protestos pacíficos. Como posso entender isso? Ao ler e refletir sobre os protestos que se tornaram violentos, vejo diferentes grupos de pessoas, diferentes motivações por trás da destruição.

Penso que há pessoas boas que sofreram durante anos de injustiça sistêmica. Eles tentaram – sem sucesso – realizar uma mudança pacífica. Eles desistiram do sistema. Eles tentaram fazer as coisas seguindo os canais adequados e ninguém parece estar ouvindo. Em sua fúria e desespero, eles se voltaram para a violência. Eles estão gritando para nós: “Se vocês não nos escutam quando usamos palavras, tudo o que nos resta para chamar a atenção para nossa situação é perturbar o que todos veem como normal”. “Normal” é um modo de vida muitas vezes desfrutado apenas por alguns cidadãos. Por mais que eu não goste, posso entender parte da violência sob esta perspectiva.

Mas também há os oportunistas que se aproveitam de uma situação para roubar e saquear. Eles não estão promovendo a causa dos oprimidos. Eles estão usando a situação para ajudar a si mesmos.

Também me pergunto se há pessoas que querem desprestigiar os manifestantes bem-intencionados, os manifestantes pacíficos, e desacreditar seus esforços com a violência como forma de compensar o bem que eles estão tentando realizar.

Peço aos que geram violência que parem, que não sejam um obstáculo para aqueles que tentam proteger a dignidade de seus irmãos e irmãs. Não sei se seus corações estão abertos para me ouvir, mas espero que sim.

Sabendo que o desespero pode levar alguns à violência, compartilho o que São Paulo diz aos romanos:

“Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer, se tiver sede, dá-lhe de beber. Agindo desta forma estarás acumulando brasas sobre a cabeça dele. Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12,20-21).

 “Esta triste realidade deve tocar particularmente nossos corações dehonianos”

 Willyans Rapozo, SCJ, membro da comunidade de Toronto (Região Canadense) e proveniente do Brasil, escreve:

Testemunhamos recentemente uma série de eventos racistas e xenófobos na América do Norte que causaram profunda indignação e suscitaram protestos em todo o mundo. Esta triste realidade deve tocar particularmente nossos corações dehonianos. Seguindo o exemplo de P. Dehon, um homem de Deus que em seu tempo se tornou uma voz profética defendendo os mais vulneráveis, não podemos ficar parados diante de qualquer injustiça social. De fato, o Fundador disse certa vez: “Se a injustiça social não é pecado, então não existe pecado”.

Como dehonianos, somos chamados a reparar corações partidos, e Deus continua a nos enviar para onde quer que a dignidade humana seja desrespeitada. Vemos a face de Cristo nos marginalizados. Ele está sendo perseguido, espancado e morto em negros e nativos americanos, migrantes e crianças sem lar, LTBTQ+ e mães solteiras, todas irmãs e irmãos que são vítimas de qualquer forma de discriminação e violência. Sejamos criativos em encontrar maneiras de “deixar a sacristia” e estender a mão àqueles que estão sendo explorados. Sejamos verdadeiramente “profetas do amor e servidores da reconciliação” acolhendo os marginalizados e mostrando através de nossas palavras e ações o quanto são amados.

“Quando permitirmos que a voz de Deus seja ouvida, seremos capazes de ouvir as vozes de nossos irmãos e irmãs”

Pe. Guy Blair, SCJ desenvolve um trabalho pastoral com os surdos em San Antonio (Província dos Estados Unidos) e serve como capelão no State Mental Hospital. Ele escreve:

Compartilhar meus pensamentos sobre a agitação racial e o movimento Black Lives Matter é um negócio arriscado. Estou de certa forma em conflito porque muitas vozes poderosas me dizem – um homem branco – para sentar, calar, ouvir e aprender a verdade com os outros. Isto eu entendo. A voz é sagrada.

Enquanto estremeço com a violência e a destruição que acompanharam o “ajuste de contas”, posso entender a frustração e a indignação que os negros sentem pelo racismo sistêmico em nosso país, que foi exposto de forma ainda mais clara pela pandemia. Nosso país, nossa cultura, nosso modo de vida têm continuado a roubar a vida dos negros através de cuidados de saúde inadequados, oportunidades educacionais inadequadas, habitação inadequada; é muito evidente para negar. Igualmente angustiantes como os gritos da comunidade negra são as reações de muitos brancos aparentemente incapazes de pelo menos ser simpáticos a essas vozes que pedem simplesmente para desfrutar dos mesmos direitos que todos os cidadãos americanos, direitos que muitos brancos tomam como garantidos.

Compreendo a natureza simbólica do saque e da queima de empresas e propriedades. Nos Estados Unidos, é da maior importância ter. Grande parte das nossas vidas está focada em construir, cuidar da propriedade e deixá-la aos descendentes. Muitos consideram a propriedade como sagrada. Assim, muitos ficam indignados quando alguns na comunidade negra têm a audácia de destruir o que acham sagrado. É chocante que haja muitas pessoas que veem as ações violentas da polícia em relação à comunidade negra como justificadas. É terrível ver pessoas mais perturbadas com a destruição de propriedade do que com a destruição de vidas negras.

Black Lives Matter” tornou-se uma metáfora para todas as pessoas às quais nós, brancos – e eu me incluo –, não temos prestado atenção ou temos nos aproveitado, incluindo nativos americanos, membros da comunidade LGBTQ, hispânicos, os sem-teto… a lista daqueles que muitas vezes são excluídos da “vida, liberdade e busca da felicidade” é bastante longa.

Não tenho ouvido de nossos líderes da Igreja americana uma voz consistente, unida e clara expressando indignação moral pelas atrocidades cometidas contra todas essas pessoas em sua luta. No entanto, tenho ouvido uma voz clara de alguns líderes da Igreja em relação ao presidente e ao status quo. Verdade seja dita, todas as Igrejas têm sido cúmplices dos sistemas que muitas vezes negaram às pessoas seus direitos. Isto é difícil de admitir, mas alguns estão cada vez mais dispostos a revelar a conivência da Igreja com o poder.

As vidas negras são importantes, assim como as vidas dos nativos americanos, dos LGBTQ e dos sem-teto. É pretexto dos brancos insistir que as vidas brancas também importam. Esse é o problema nos Estados Unidos: vidas brancas sempre importaram e muitas vezes lançaram uma sombra que bloqueia a vida dos outros.

Eu também me pergunto se em nossa Igreja não se aproxima um outro ajuste de contas: a vida das mulheres é importante. Não podemos ousar, como Igreja, apontar o dedo para o governo ou para a sociedade em relação ao racismo, porque também temos um racismo insidioso chamado “patriarcado”. Durante 2000 anos, a Igreja tem mantido as mulheres em segundo lugar.

Recentemente, presidi uma liturgia na qual uma jovem fazia seus primeiros votos em uma comunidade religiosa. Eu a recebi com o comentário: “É preciso muita coragem para entrar neste barco conosco, acreditando que é a Arca e não o Titanic”.

Ao dizer essas palavras, senti a mesma resistência interior que sinto ao expressar minha opinião branca sobre o “Black Lives Matter“.

Fiz as pazes com a consciência de que eu poderia ter um bilhete no Titanic. Mas o faço sabendo que no final, Deus é amor, e tudo o que aparentemente detém o poder em nossa vida terrena – incluindo uma cultura branca, dominada por homens – acabará sendo consumado pelo Deus de amor.

Quando permitirmos que a voz de Deus seja ouvida, seremos capazes de ouvir as vozes de nossos irmãos e irmãs.

“Deixar a sacristia significa sair para o mundo com todos os seus desafios”

Rafael Querobin, SCJ, proveniente do Brasil, é vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe em Houston, Texas (Província dos Estados Unidos). Ele escreve:

Nosso ministério em Houston é dedicado quase exclusivamente a pessoas de origem hispânica. Não temos muitas pessoas afro-americanas que regularmente frequentam nossa paróquia. Agora eu posso entender o que significa ter a mesma fé, mas não rezar juntos. Estou feliz em ter um ministério cheio de vida com pessoas que falam espanhol. Ao mesmo tempo, sinto que nossa assembleia não está completa.

A língua pode ser um elemento divisor, como qualquer outra coisa que nos diferencia. Tenho muitas perguntas, mas não muitas respostas.

A Arquidiocese de Galveston-Houston está fazendo um belo trabalho para mostrar sua preocupação com os direitos dos negros. Participei de um evento em memória de George Floyd na escola em que ele estudou aqui em Houston. Foi uma experiência bonita e desafiadora. Entretanto, pela primeira vez em minha vida, senti um medo particular como um homem branco que participava de um evento dedicado aos afro-americanos.

Como dehonianos, precisamos superar o medo e estar abertos a participar de eventos e discussões deste tipo. Deixar a sacristia significa sair para o mundo com todos os seus desafios.

“Como dehonianos, devemos estar atentos a todas as manifestações de discriminação”

Maurice Légaré, SCJ, cresceu em Quebec, na parte de língua francesa, e é membro da Comunidade de Montreal (Região Canadense). Ele escreve:

VIDAS NEGRAS IMPORTAM! Este é o slogan que ouvimos e lemos em todo o mundo. Entretanto, eu gostaria de ampliar seu significado. Ele certamente se refere à manifestação de racismo contra nossos irmãos e irmãs negros, especialmente manifestações extremas onde pessoas morreram ou foram gravemente feridas. Mas não devemos esquecer que todas as minorias podem ser objeto de discriminação. Este é o caso, por exemplo, das Primeiras Nações na América do Norte (conhecidas como “Nativos Americanos” nos Estados Unidos). A discriminação é frequentemente sutil, mas ainda assim significativa. Recentemente um membro da minha comunidade, um homem negro, teve seu carro inspecionado porque “naquela vizinhança, é incomum ver um negro dirigindo um carro assim”, disse o policial que o abordou.

São coisas que muitos de nós sabemos, mas nem sempre consideramos importantes porque não acontecem “conosco”. Mas é diferente quando algo assim acontece com você, ou com uma pessoa próxima a você.

Como dehonianos, devemos estar atentos a todas as manifestações de discriminação e apoiar suas vítimas porque acreditamos firmemente que somos todos irmãos e irmãs. Quando possível, devemos também denunciar tais comportamentos e tentar educar as pessoas a quem servimos para fazer o mesmo.

Rezo para que um dia possamos dizer: “Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher; pois todos vós sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3,28) e que TODAS AS VIDAS IMPORTAM!

 

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter