P. Evaristo José Martínez de Alegría Oroquieta

P. Evaristo José Martínez de Alegría Oroquieta

* 25.10.1939
† 05.12.2020
email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Padre Evaristo José Martínez de Alegría Oroquieta nasceu no dia 25 de outubro de 1939 e tinha 81 anos. Fez os primeiros votos no dia 29 de setembro de 1956 e foi ordenado sacerdote no dia 29 de março de 1964.

Atualmente residia em Salamanca (Espanha). Ele pertencia à Província ESP.

Venite ad me, omnes qui laboratis, et onerati estis: et ego reficiam vos. (Mt 11,28)


O P. Evaristo José Martínez de Alegría Oroquieta deixou-nos. Nasceu a 25 de Outubro de 1939, há 81 anos, quando os gritos e ruídos de guerra mal tinham parado de bramir. A história, a literatura, a arte, as paisagens e a vida rural interessavam-no e ocupavam-no igualmente: gostava e partilhava-as. Evaristo desde que deixou a sua terra natal Apelllaniz, em Alava, e chegou ao seminário menor de Puente la Reina em 1950, cultivou com paixão estes conhecimentos… e sabores.

Logo soube também que o conhecimento e o gosto que mais o atraía eram os de Jesus Cristo, e este crucificado, mostrando e demonstrando o seu infinito amor no seu Coração humano. Após o seu postulantado e noviciado em Zurraure em 1955-1956, começou a sua vida religiosa dehoniana com a sua primeira profissão a 29 de Setembro de 1956 (também em Zurraure) e desta vez em uma das cidades que irá marcar para sempre o coração do nosso irmão e, a partir de hoje, empreende a viagem definitiva: Salamanca.

Na “Pequena Roma” fez os seus estudos eclesiásticos (1956-1964) e os seus estudos civis de História (1966-1971). Para completar a sua formação será enviado para a sua outra querida cidade, a grande Roma, onde se aprofundará em especialidades tão variadas como a licenciatura em Liturgia e Arqueologia (no Anselmianum, 1966), o diploma em Direito Canônico (1988) ou o curso que lhe permitiu servir como Postulador em causas de beatificação e canonização (2000).

Entrou nos vários graus do sacramento da Ordem, recebendo-os sempre das mãos do Bispo Francisco Barbado Viejo OP, Bispo de Salamanca: os ministérios a 21 de Abril de 1963, o diaconado a 15 de Setembro de 1963 e o sacerdócio a 29 de Março de 1964.

Depois começou aquela bela peregrinação que caracteriza a vida de cada religioso, marcada por rostos e serviços, por alegrias e descontentamentos, por criatividade inovadora e por sentimentos de angústia. O P. Evaristo começou como professor e educador escolástico em Puente la Reina em 1959. Depois de regressar de Roma, ficou em Salamanca (1966) como professor, também dedicado aos estudos pastorais. Como professor e diretor técnico, trabalhou em Novelda (1971) e em Alba de Tormes (1975), onde foi nomeado pela primeira vez superior local de uma comunidade. Durante esses anos serviu também como Secretário Provincial das Missões (1971-1973). No início dos anos oitenta, partiu para Valência onde serviu como pároco de São Francisco Javier de 1982 a 1986. Enquanto lá esteve, foi chamado a atravessar o Mediterrâneo e a trabalhar durante oito anos como Superior de Roma I e Reitor do Colégio Internacional Leone Dehon na nossa Casa Geral (1986-1992).

Quando chega o momento de regressar, Alba de Tormes é, mais uma vez, o seu destino, onde trabalha como professor e tutor. Ele irá à comunidade de Salamanca II para ser o pároco de Nuestra Señora de los Dolores entre 1995 e 1999. Reingressou na vida da província onde repetiu (já tinha estado em 1981-1984) como conselheiro provincial (1996-1999) e delegado provincial para a Família Dehoniana (1993-1999; de fato, será o seu primeiro promotor na Espanha).

Mas, no final do milénio, mais uma vez a voz de Roma chama-o “junto a São Pedro” e desta vez com uma tarefa de grande importância na qual ele colocará toda a sua paixão e, não raro, a sua forte veemência. Serão anos (1999-2012) de glória, com a beatificação do P. Juan María de la Cruz, em que atua como vice-postulador geral, e também de paixão dolorosa, que decorre de ser o postulador geral que acompanha o processo de beatificação do P. Dehon. Na cidade do Tibre realizará uma vasta gama de serviços pastorais (confissões, pregações, retiros, eucaristias paroquiais, acompanhamento de comunidades neocatecumenais, capelão de religiosas), bem como serviços à sua comunidade como quando foi nomeado administrador local no lugar do superior local de Roma II que teve de abandonar temporariamente o seu serviço devido à doença.

A época do seu regresso foi também marcada pela percepção de uma ligeira mas progressiva deterioração da sua saúde, que já tinha conhecido episódios que preocupavam todos no final dos anos noventa em Salamanca. E é precisamente aí que ele se retira enquanto espera pela “morte irmã” para ser ensinado por São Francisco de Assis, sem ser perturbado por ela ou por qualquer outra coisa, como um bom discípulo de Santa Teresa de Jesus.

As suas diferentes ocupações tornaram-no digno, certamente, de muitas amizades, quer aqui na terra onde nos deixa por agora, quer lá na pátria celestial onde alguém (como o Beato Cristobal de Santa Catalina Fernandez de Valladolid – 1638-1690 -, dos Irmãos da TOR e fundador das Irmãs Hospitaleiras de Jesus o Nazareno de Córdoba) recebe culto público na Igreja graças aos seus feitos e conhecimentos; poderá agora trocar pontos de vista (e, se necessário, envolver-se numa boa discussão) com aqueles que tanto leu e quis dar a conhecer entre nós: P. Dehon, P. André Prevot e, claro, o Beato João Maria da Cruz.

Esta boa companhia consola-nos em ter de o deixar ir, silencioso como ultimamente era necessário, mas com os olhos sempre despertos, atentos e vivos. Descansa, irmão, juntamente com todos os nossos que lá se encontram, na paz do Coração de Jesus. Pedimos-lhe também que nos mantenha presentes perante Ele, todos os dias, todas as horas. (P. Juan José Arnaiz Ecker, scj, Superior Provincial ESP).

 

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Autorizo o uso dos meus dados pessoais