30 abril 2021
30 abr 2021

#scjnews l 6

Entrevista com o Pe. Carlos Luis Suárez Codorniú, Superior Geral, em sua recente visita aos Camarões e ao Chade.

por  Sergio Rotasperti

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

A visita oficial aos Camarões e ao Chade, de 9 de março a 14 de abril, foi a primeira após o bloqueio imposto pela pandemia. Além disso, você veio num momento em que o risco de pandemia nos Camarões se agravou. Penso que foi também seu primeiro encontro com estas terras. Com que impressões e sentimentos esta viagem lhe deixou?

Foi a primeira visita após um ano de pausa. Iniciamos esta visita com o Pe. Charles Aimé Koudjou (N.R.: Conselheiro Geral nomeado há alguns meses). Foi um tempo de graça para encontrar os confrades; falamos com todos eles pessoalmente e pudemos visitar quase todas as comunidades, exceto duas que se encontram em áreas de risco.

Ao final da visita, houve a assembléia provincial anual, à qual vocês assistiram. Qual é o estado de saúde dos SCJs nos Camarões e no Chade?

Em boa saúde. A província Dehoniana é jovem, forte, muito ativa e comprometida em muitos campos e em várias frentes. Ela está aberta ao serviço da Igreja e da Congregação local. Eles se esforçam para realizar um serviço completo não apenas regionalmente, mas também em países vizinhos, como o Chade e a Nigéria.

Em 20 de abril de 2021, o presidente do Chade, Idriss Déby, foi assassinado. A presença de muçulmanos é de 51,1%, enquanto que a de cristãos é de 44,1%. Como vivem os cristãos e, em particular, como os dehonianos estão lidando com a situação?

No sul do Chade, pude ver uma boa convivência. A presença cristã é muito bem conhecida e significativa. Nota-se uma islamização progressiva com a construção de mesquitas e a conversão de líderes ao Islã (talvez por razões políticas e não religiosas). O relacionamento de nossos irmãos com seus vizinhos é bom.  Eu diria, uma coexistência exemplar.

E nos Camarões?  Também nos Camarões, especialmente no norte, há violência, refugiados e desalojados. A área inglesa acima de tudo é marcada por conflitos internos.

Na zona leste, observa-se uma forte presença de refugiados da República Centro-Africana. Há grandes campos de refugiados monitorados pelas Nações Unidas.

No oeste, o conflito na região de língua inglesa provocou a emigração interna para o sul ou para a Nigéria. Nossos confrades permaneceram na parte noroeste dos Camarões. Alguns bispos agradeceram nossa permanência enquanto tantos outros fugiram. Nossos irmãos permaneceram e são uma fonte de consolo para a população. Eles tentam dar “normalidade” à vida: eles dão educação, conseguiram fazer acordos com grupos hostis, para serem operadores de paz. Nossa presença é um belo trabalho de reconciliação e salvaguarda da vida dos mais fracos. Podemos nos orgulhar de nossos confrades e isso se torna um compromisso de rezar por eles.

No final da assembléia provincial, sempre olhamos para o futuro. Você pode nos dizer se existem novos projetos e como a Congregação pode apoiar os SCJs dos Camarões e do Chade?

A província renovou seu compromisso missionário especialmente no extremo norte, o que é muito difícil em muitos aspectos. Uma nova presença será aberta em uma diocese onde ainda não estamos tanto no norte dos Camarões quanto no Chade. A presença é fortalecida nestes territórios que são verdadeiramente a linha de frente, autênticas periferias humanas, como diz o Papa Francisco. É uma maneira muito bonita de responder aos apelos da Igreja para acompanhar estes irmãos e irmãs que vivem nestas regiões.

Uma última pergunta: qual tem sido a maior riqueza que você encontrou nos confrades e no povo?

Em primeiro lugar, a acolhida, a capacidade de acolher o outro, de abrir espaço para aqueles que chegam, a alegria de se encontrar e estar juntos. Nas relações pessoais vi uma grande vontade de servir tanto a nível local, como também em outras partes do mundo, em outras entidades. Um coração disposto a servir ao evangelho.

Obrigado e nos vemos na próxima vez….

Sim, o próximo certamente será na Itália, na província do sul.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Autorizo o uso dos meus dados pessoais