25 junho 2021
25 jun 2021

Segundo o carisma do Fundador (II)

Apresentação em série do "Guia de Leitura" das Constituições, escrito por P. Albert Bourgeois.

por  P. Albert Bourgeois, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

1. A referencia “constitutiva”

100  O título do I capítulo das Constituições estabelece, de entrada, uma espécie de princípio constitutivo: a referência à “Experiência”, à “Graça” e à “Missão”‘do Fundador.

–   Em relação à fundação da Congregação: “A nossa Congregação tem origem na experiência de fé do Padre Dehon” (2)

–   Em relação à vida espiritual de seus membros: “… ao que, na inesgotável riqueza desse mistério, corresponde à experiência do P. Dehon e dos primeiros membros da Congregação” (16).

101  Observe-se a modificação efetuada, em 1979, na posição e significação dos números referentes à experiência do Padre Dehon: em 1973: simples “introdução” prévia à Nossa Regra de Vida; em 1979: I capítulo das Constituições. Isto sublinha o caráter “constitutivo” desta “referência”.

102  A expressão “segundo o carisma…” pode parecer, à primeira vista, restritiva e limitativa. Em todo caso, traduzi-la por “Espiritualidade Dehoniana” ou “Espírito do Padre Dehon” é estreitar e alterar o sentido. Nosso texto não fala de “espiritualidade” nem de “espírito”, em sentido tradicional da palavra, nem mesmo, como nas antigas Constituições, de “Fim especial”. E as expressões “intenção específica” e “índole própria” (n. 2) são apenas citações de textos conciliares (cf. PC 2). Fala-se, porém, de “vida espiritual”, “abordagem comum”, “especial atenção” (16), “ideal espiritual” (26), “carisma profético” (27), “maneira de ser e de agir” (38) e de “testemunho profético” (39).

103  A palavra “espiritualidade” é termo abstrato. Falar de “espiritualidade própria ou específica” pode sugerir a idéia de algum corpo doutrinal, de uma espécie de ideologia própria de um grupo, desenvolvendo e cultivando, em círculo fechado, sua própria diferença e distinção. O P. Bouyer ironiza certas pretensões de espiritualidades específicas das Ordens, dos Institutos, fraternidades, associações ou grupos (operário, estudantes, colonos etc…), (cf. Introdução à vida espiritual, p. 22-24). Com razão, sem dúvida, ele fala apenas de espiritualidade evangélica e cristã.

104  Entretanto, uma espiritualidade evangélica é também uma abstração, pois, sendo de todo mundo não seria de ninguém. Só há o Evangelho anunciado e vivido por alguém (Mateus, Marcos, Lucas, João, Paulo…). E há tantas “espiritualidades” evangélicas quantas as pessoas que, numa abordagem pessoal, caracteristicamente própria e preferencial, venham realizando uma experiência espiritual e, em certo sentido, uma “espiritualidade”.

105  Estas expressões de nossas Constituições confirmam o que observamos a respeito do processo existencial e “experimental” de todo o texto. Em lugar de “espiritualidade dehoniana” preferimos falar de “fidelidade dehoniana”, desta fidelidade (“fidelitas”) concebida e vivida na fé (“fides”), fé viva; desta fidelidade que é união na “fé que opera peia caridade”.

106  Esta fidelidade na referência à experiência do Padre Dehon justifica-se, evidentemente, por seu caráter carismático. Sua experiência de fundador é, ao mesmo tempo, pessoal e exemplar:

–   Pessoal e, como tal, incomunicável e irreproduzivel; marcada, é evidente, por diversos traços circunstanciais e culturais: seu tempo, sua formação, sua sensibilidade, seu temperamento, seu meio e seu ambiente… que não têm nada de “carismático”:

–   Exemplar (ou arquétipo, se se preferir), ao menos, na formulação essencial, no generoso entusiasmo, nos fins colimados, pois se trata da graça recebida, do carisma de fundador a que se referem os textos conciliares e os nossos (nn. 1-2). É neste sentido que a referência à experiência do Padre Fundador é, para nós, “constitutiva”.

2. A experiência de fe do Padre Dehon

107  No texto das Constituições, a experiência do Padre Dehon é descrita de maneira muito sintética e elementar; é apenas esboçada; mas a descrição dos números 2 a 5 é sugestiva, levando em conta as seguintes articulações:

–   uma vida na fé do Filho de Deus: É a experiência da presença ativa do amor do Cristo em sua vida; um amor cujo Lado aberto e o Coração trespassado é a expressão mais evo- cadora (2-3);

–   uma grande “sensibilidade” ao pecado: e aos males da sociedade, cujas causas ele estudou atentamente, encontrando na recusa do amor de Cristo a causa mais profunda da miséria humana (4);

–   possuído por este amor menosprezado, quer corresponder a este amor, com uma união íntima ao Coração de Cristo e com a instauração de seu Reino nas almas e na sociedade (4). E fundando a Congregação, por graça e por missão quer render a Cristo “o culto de amor e de reparação que o seu coração deseja” (6-7).

108  As duas primeiras fórmulas indicam e descrevem o primeiro tempo da experiência: o apelo do amor que se revela como “amor menosprezado”. A terceira fórmula introduz o segundo elemento: a “resposta”.

109  Não existe ainda nenhum trabalho aprofundado sobre a experiência espiritual do Padre Dehon. Podem-se encontrar elementos desta experiência em diversas biografias, artigos ou monografias. Entretanto, o contato direto com as fontes sempre é mais sugestivo.

110  O comentário do Padre Carminati (p. 1-12) transcreve, em francês, citações e documentos interessantes. Veja também, sobre os anos de seminário: NHV, V 133 – VI, 24, ou NQT I-II. Sobre a Fundação da Congregação: NHV XII, 151-172, ou os Souvenirs.

111  As NQT são a fonte mais rica, juntamente com a correspondência, sobretudo dos últimos anos, onde o Padre Dehon revê e medita sobre a ação de Deus em sua vida.

112  Para um estudo dos anos de preparação da fundação, confira também, o ensaio publicado em STD n. 9: Padre Dehon… vocação e missão.

2.1. Presença de um amor ativo

113  “Um amor, cuja presença ativa experimenta em sua vida” (Cst 2).

114  Nesta fórmula, vemos claramente a mais característica e a mais fundamental expressão da experiência do Padre Dehon. Isto explica todo o resto. Duas frases ajudam a precisar o sentido da fórmula:

–   “na fe do Filho de Deus…” (2),

–   “possuído por este amor menosprezado…” (4).

2.1.1. “Na fé do Fi/ho de Deus…”

115  Gal 2,20 é, muitas vezes, citado por Padre Dehon, em suas “notas” e em suas obras. Sem comentário exegético, é, no entanto, a expressão de sua própria contemplação e explicação de sua vocação e de sua vida. Ele sublinha, de modo particular, o amor de Cristo que se entrega e o apelo pessoal expresso no “Ele me ama”.

116  A referência ao “Coração trespassado” é, antes de tudo, a viva ilustração desta experiência; é a mais evocadora expressão do amor experimentado como ativamente presente em sua vida. “As palavras de Nosso Senhor à Santa Margarida Maria – diz ele – me impressionavam profundamente” (NHV XII, 167).

117  Mas também o mistério do Lado Aberto é evocado e experimentado como revelação da “presença ativa”: o Coração não é só “imagem e símbolo”, mas “dom” e “fonte”.

118  O texto voltará a falar do mistério do Lado Aberto e do culto ao Coração transpassado, quando descrever a “nossa experiência e nossa vida espiritual SCJ” (cf. o segundo texto cristológico, em os números 19- 21).

119  A citação deve ser estudada em seu contexto: dentro do próprio versículo, da própria carta e, mais precisamente, na perícope Gal. 2,16-21. A propósito da expressão “a fé no Filho de Deus” (tradução literal: “a fé do Filho de Deus”) a TOB dá uma explicação interessante. Sem prejuízo do alcance doutrinal e catequético do versículo sobre a justificação pela fé em Cristo, pode-se admitir que esta justificação se realiza pela fé do Cristo. Nela e por ela, Cristo realiza sua missão de salvação e vive em nós.

120  A experiência da vida de fé acontece na união com Cristo, vivendo em nós sua própria fé e seu próprio amor salvador. Nossa vida de fé e de amor consiste, antes de tudo, em acolher e deixar ou fazer viver em nós esta fé e este amor do Cristo. “Sem ser idêntica à nossa, a fé do Filho de Deus seria a fonte e o modelo dela” (TOB). Em todo caso, há aí algo muito interessante e bastante útil para a conceituação de nossa oblação e de nossa reparação, em consonância com a autêntica teologia da caridade paulina e joanina.

121  O problema da “fé de Cristo” está na ordem do dia da cristologia (cf. Balthasar e Guillet: A fé do Cristo…; e outros).

122  Padre Dehon fez a experiência da presença ativa do amor em sua própria vida, na união e comunhão que exprime Gal. 2,20: “Eu vivo, mas já não sou eu que vivo, pois é Cristo que vive em mim. Minha vida presente na carne, eu a vivo pela fé no (do) Filho de Deus que me amou e se entregou a si mesmo por mim”. O Filho de Deus vive em mim seu amor salvador, sua fé e seu amor.

2.1.2. “Sensível ao pecado…” e “possuído por este amor menosprezado…”

123  Estas duas expressões podem ser consideradas conjuntamente. As duas dizem respeito à “sensibilidade” do Padre Dehon ao pecado.

124  O n. 4 descreve brevemente uma dupla abordagem e descoberta do fato e do mistério do pecado:

–   a abordagem histórica e sociológica dos “males da sociedade”. Os “escritos sociais” do Padre Dehon testemunham sua “sensibilidade” social;

–   a abordagem propriamente teológica e teologal do pecado como “recusa do amor de Cristo”. Esta recusa faz deste amor oblativo e ativo um amor recusado e “menosprezado”. Padre Dehon é teologicamente e espiritualmente “muito sensívem” a este pecado.

125  A reflexão sobre a “sensibilidade” dehoniana ao pecado é particularmente importante para a fundação e a índole da Congregação, como Congregação “reparadora”. Vêm à tona as motivações originárias e profundas da fundação, a união vivida por ele entre vida religiosa SCJ, devoção reparadora ao Coração de Cristo, ação e pastoral social… Fica para ser realizado um estudo a este respeito. Não se trata de simples curiosidade histórica ou psicológica; nem é questão de apoiar esta ou aquela perspectiva espiritual, apostólica ou sociológica, mas de conhecer mais autenticamente esta experiência na qual a Congregação tem sua origem, de conhecer a natureza da Congregação, sua graça e sua missão na Igreja, seu “carisma profético” (27).

126  O pecado é concebido e sentido aqui como “recusa de se abrir ao amor”, recusa de se deixar amar; como fechamento do homem sobre si mesmo; não, em primeiro lugar, como “recusa de amar” (aversio a Deo). Pedro, recusando deixar-se lavar os pés, não tem parte com Jesus… Não é em primeiro lugar, uma falta contra a lei, um atentado contra a glória de Deus. É um atentado e uma ferida ao próprio ser de Deus que é Amor. Deus é atingido em seu coração. O homem que recusa o amor de Deus impede-o, em certo sentido, de ser Deus. Por isso, o pecado é a mais profunda causa da miséria humana e dos males da sociedade. O inferno é a recusa extrema do amor; o fechamento do ser ao amor do Outro.

127  É preciso guardar esta noção de pecado, como recusa do amor oblativo, para se compreender bem a experiência do Padre Dehon, a natureza de sua oblação, de sua vocação reparadora que nasceu da contemplação do Coração de Jesus e da mensagem de Paray-le-Monial.

128  É o que tão fortemente diz a expressão: “Possuído por este amor menosprezado…”.

2.2. A “resposta” dehoniana

129  Logicamente esta “resposta” é, para o Padre Dehon, o efeito desta “presença ativa” do amor acolhido que o possui e pelo qual ele se deixou possuir.

130  O particípio “Possuído” é aqui usado no sentido de “Alcançado”. A exemplo de Paulo que “alcançado por Cristo Jesus” (Fil 3,12), lança-se para ver se o alcança, Padre Dehon “alcançado por este amor menosprezado”, quer dar-lhe resposta… Esta resposta não é, em primeiro lugar, “compensação, satisfação ou expiação” (do pecado como recusa de amar, mas abertura e acolhimento do amor menosprezado. É um acolhimento “reparador” (e consolador), em si mesmo, que dá ao Senhor aquela alegria que Ele manifesta ao ver-se conhecido e acolhido pelos pequenos (cf. Mt 11,25-26).

131  Sublinha-se aqui a dinâmica do amor; amor que toma posse do ser que se abre; dinâmica do amor desprezado a quem a gente se abre e cuja presença ativa experimenta-se em si mesmo.

132  A resposta do Padre Dehon foi deixar o amor agir nele:

–   mediante un’unione intima al Cuore di Cristo, l’adesione a Cristo che viene dal profondo del cuore;

–   pela instauração de seu Reino nas almas e na sociedade, por meio de seu apostolado e, por graça especial, pela fundação de uma Congregação religiosa apostólica; Congregação, cujos membros comprometidos com Cristo “para reparar o pecado e a falta de amor na Igreja e no mundo”, procurem prestar-Lhe “o culto de amor e de reparação que o seu Coração deseja” (6-7). Segundo a experiência do próprio Padre Dehon, isto significa abrir-se ao amor desprezado de Cristo e experimentar a presença ativa deste amor em suas vidas.

133  É este o sentido profundo da afirmação inicial sobre a origem da Congregação e da relação essencial com a experiência do Padre Dehon. E é neste sentido que a referência à experiência ao Padre Dehon é para nós “constitutiva” e inspiradora de vida espiritual SCJ (cf. 16).

2.3. Notas complementares

134  1. “Impressão” das palavras de Nosso Senhor à Santa Margarida Maria nas motivações da fundação da Congregação (NHV XII, 167). Este termo “impressão/ impressionar” está sempre presente nas notas do Padre Dehon e significa “experiência profunda” (cf. NHV quando se refere à sua 1a. comunhão, a seus retiros, à sua vocação – NHV I, 9v, 26r; 29r). A experiência do mal e do pecado, como recusa de amor, vivida em sua própria vida e desenvolvida particularmente em seu ministério em São Quintino, contribuiu, sem dúvida, para esta “impressão” da passagem de Paray-le-Monial sobre ele. Esta experiência explica, segundo ele, a “forte atração por uma Congregação cujo ideal fosse o amor e a reparação ao Coração de Jesus” (NHV XII, 163).

135  2. Como apoio e confirmação da interpretação dada à “resposta dehoniana”, observemos estas duas reflexões do próprio Padre Fundador:

–   Ele aproxima a sua “oblação” da “entrega” de Tereza de Lisieux. Desde que conheceu esta “entrega”, Padre Dehon, várias vezes, referiu-se a ela. “Nascemos – diz ele – do espírito de Santa Margarida Maria e nos aproximamos de Santa Tereza” (NQT XLV, 53-56, abril de 1925). Ele escreveu, em suas “Couronnes d’amour” (III, IV, 6a. meditação), em 1905, uma meditação sobre esta entrega tereziana.

–   Em 1880, falando a seus noviços sobre o “puro amor”, com surprendentes palavras, revela o vínculo existente entre sua oblação, sua visão dos males do mundo e sua própria missão social: “Nosso Senhor mesmo, durante toda a sua vida, fez reparação por puro amor. É isto que hoje, Ele pede, porque aí esta a salvação da Igreja e dos povos. É isto que resolve a questão social atual (CF III, 46).

136  O motivo da fundação da Congregação está vinculado ao problema do desenvolvimento dos povos. Padre Dehon queria concretizá-lo, por meio da reparação em favor das almas consagradas e dos padres que o preparam e realizam.

137  Neste sentido, a apresentação bastante sintética da experiência do Padre Dehon, nas Constituições, parece ser profundamente fiel ao pensamento e às intenções dele.

3. Conclusão

138  As Constituições apresentam-nos um resumo da experiência espiritual do Padre Dehon. É preciso descobrir suas grandes linhas para que sirva de exemplo e arquétipo de experiência e de vida espiritual aos membros da Congregação.

139  É experiência de vida de amor cuja fonte é a presença ativa do amor de Cristo. Fundamentalmente, é uma experiência “mística”, em sentido amplo e revela o mistério de união. Não é, em primeiro lugar, uma ascese de imitação e de esforço moral (fica, porém, bem entendido que não há vida de união sem séria ascese de purificação). “União” e “adesão” são os termos característicos desta experiência espiritual, na linha da adesão aos “estados” de Cristo, preconizada por Bérulle e pela Escola francesa e, de um modo geral, por toda a tradição espiritual cristã. Esta experiência foi retomada no culto ao Coração de Jesus.

140  É experiência de união de amor cuja lei é o amor de Cristo, sem medida. Lei do “amor puro”, sempre em tensão, na expressão paulina de Filipenses 3,12: “Mas vou prosseguindo para ver se o alcanço, pois que também já fui alcançado por Cristo Jesus”. “Mas uma coisa faço: esquecendo-me do que fica para trás e avançando para o que está adiante (“epekteinomenos”) prossigo para o alvo…”. É a lei da “resposta” do amor, da tensão que nasce da posse (o “épectase”, segundo Gregório de Nissa). Esta tensão espiritual e mística é, para o Padre Dehon, como para S. Paulo, fonte de estímulo apostólico: não é somente “alma” e força do apostolado; a união é fonte e razão dele, por causa do amor-ágape do Cristo, que age.

141  Experiência e vida religiosa que é necessariamente apostólica e, por sua própria natureza, profundamente contemplativa. “… Nos trabalhos – declara Padre Dehon a seus noviços – nossa vida será bastante impregnada de vida contemplativa” (CF II, 2-9, abril de 1880). Na medida em que é e deve ser união com Cristo, que amou e se entregou, e vida de Cristo em nós, que ama e que se entrega, nossa vida é essencialmente apostólica. Não é uma “vida mista”, segundo certa terminologia tradicional. É a experiência da presença ativa do amor de Cristo em nossa vida.

142 É isto que a descrição de nossa experiência e de nossa própria vida espiritual – que “corresponde à experiência do Padre Dehon e dos primeiros membros da Congregação” (16) – deveria descobrir e desenvolver

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Autorizo o uso dos meus dados pessoais