30 maio 2021
30 mai 2021

Confrontos? Não, paz no Oriente Médio

Uma leitura crítica da atual tensão entre Israel e Palestina, no contexto da política do Oriente Médio.

por  Francesco Sisci
Settimananews

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

A primeira simples conclusão dos confrontos em curso entre Israel e os palestinos é que os acordos de paz entre Israel e alguns países árabes foram mantidos. De fato, além dos protestos oficiais, nenhum país árabe que assinou um acordo de paz com Israel está apoiando os palestinos que disparam foguetes de nova geração feitos pelo Irã contra Israel.

O conflito é e permanece interno e os palestinos estão falhando ao internacionalizá-lo.

A principal razão pela qual isto acontece é que, ao contrário da primeira Guerra Fria com a URSS, este choque político está fora da nova Guerra Fria EUA-China. O Oriente Médio agora não tem relevância estratégica na atual “Guerra Fria”.

Antes da queda do Império Soviético, a região foi durante décadas o centro das principais guerras por procuração entre os EUA e a URSS, e as vitórias e derrotas de ambos os lados refletiram a sorte política de seus patronos. Agora a China não tem o mesmo envolvimento no Oriente Médio que a União Soviética, e o petróleo local não é tão estratégico quanto era há 40 anos.

Além disso, dada a complexidade da região, a China não está interessada em tomar partido a favor ou contra Israel, Egito, Arábia Saudita, Irã ou Turquia. Com cada um desses atores, Pequim prefere ter suas mãos livres. Além disso, sim, Pequim pode ter interesse em fazer com que os Estados Unidos fiquem atolados no Oriente Médio, mas pode não saber como fazer isso sem ter o Oriente Médio explodindo diante de si. O Oriente Médio é crucial para o abastecimento de petróleo e gás da China e é muito delicado para tentar adulterá-lo em demasia.

Sem o horizonte das grandes potências (EUA-China), o compromisso internacional no qual a questão palestina está inserida hoje é substancialmente feito de três vias, com a Turquia, o Irã e o pólo variável de Israel-Egito-Saudi. A Rússia mantém contatos delicados com cada um dos três pólos, mesmo que seja mais frio com a Turquia. Os EUA são hostis ao Irã (embora as relações possam estar melhorando), mas mantém boas relações com os outros dois pólos.

Nesse tabuleiro, o Irã, com seus apoiadores em Damasco e com o Hamas e o Hezbollah, é relativamente mais isolado do que os outros dois blocos regionais.

A Turquia parou os russos na Síria, Líbia e Cáucaso com o apoio americano e também deu aos EUA uma mão crucial na região. Hoje talvez busque mais dividendos políticos. Mas não pode ir longe demais. Ancara pode querer que Israel seja politicamente mais fraco, mas não muito fraco, porque sabe que os palestinos não são confiáveis e porque está ciente do eixo estrutural Israel-EUA, vital também para a Turquia.

O Irã certamente está interessado em avançar sua agenda na região, e alguns de seus líderes podem ser muito belicosos, mas Teerã está de mãos ocupadas apoiando a oscilação da Síria e do Houthi no Iêmen, e tentando colocar seu programa nuclear em funcionamento apesar da sabotagem israelense bem sucedida. Talvez não queira arriscar um confronto exasperante com Israel e os sauditas.

 

Agenda doméstica conflituosa

 

Existem vários problemas internos na região que precisam ser tratados corretamente.

Existe um problema em Israel, onde árabes e judeus israelenses talvez precisem ser mais integrados. Existe um problema na Arábia Saudita e no Egito, onde os muçulmanos radicais devem ser marginalizados. Existe um problema na Turquia, onde os retornos não podem ser apenas os da guerra, mas é necessário mais secularismo e isso ajudaria as relações do país com a União Européia e os EUA e a economia.

Todas essas são questões sensíveis, mas sem o combustível de uma segunda Guerra Fria, elas não são tão explosivas.

Na realidade, trata-se de encontrar mais paciência e trabalho concreto e meticuloso.

Nisso, os esforços da Santa Sé se tornam cada vez mais fundamentais. O Papa, que fala com os imãs do Egito, Dubai e Iraque, não fornece resultados imediatos, mas é precisamente esse trabalho de pedreiro que reúne diferentes pedras para construir uma casa, unindo-as todas com a mesma argamassa, feita de paciência e raiva decrescente.

Quanto à causa palestina, este deveria ser um momento para reflexões profundas. Originalmente, os palestinos foram capazes de tirar proveito do sentimento de culpa dos árabes e, portanto, tiveram uma enorme influência, multiplicada ainda mais pelos muitos assaltos da primeira Guerra Fria. Mas como os países árabes, lentamente, mas a um ritmo sustentado, se afastaram da chantagem, alguns dos líderes palestinos passaram a ser a ferramenta das forças regionais anti-israelenses, seja o Irã ou a Turquia.

Em troca, recebeu ajuda de vários tipos, distribuída de forma desigual entre a população. Mas como o poder dessa segunda chantagem sobre Israel está diminuindo com o tempo, os retornos de ser uma ferramenta de objetivos estrangeiros também estão diminuindo.

Então os palestinos devem desenvolver novas idéias promissoras de paz duradoura na região, que se baseiem na presença real de Israel e transformem a região em um centro de prosperidade e não de guerra. Isso não será fácil, mas o poder de barganha aumenta ou diminui com o tempo, apesar de estar certo ou errado.

A liderança palestina deveria então acertar sua matemática: eles irão obter mais ou menos no futuro de Israel e de outros países? Se conseguirão menos, o momento de barganhar é agora.

Os últimos 70 anos podem provar que eles têm cada vez menos, mas eles podem pensar que o futuro reverterá a tendência. E, na verdade, o cálculo político não é simplesmente impulsionado pela análise racional

SettimanaNews è una piattaforma online che offre una informazione religiosa nel contesto del confronto culturale e storico-civile. Essa eredita la rivista cartacea Settimana (1946-2015) che si è distinta per la sua attenzione pastorale.
La proprietà del sito è della Provincia religiosa Italia Settentrionale dei dehoniani.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter