03 maio 2021
03 mai 2021

França: secularismo entre a liberdade e a suspeita

© photo credit: Nicola Fioravanti

Se aprovada, a lei com o título Pelo o respeito dos Princípios da República Francesa, transformará o clima de confiança mútua num regime de desconfiança, limitação e controlo.

por  P. Lorenzo Prezzi scj
Settimananews

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Se aprovada, a lei com o título Pelo Respeito dos Princípios da República Francesa, transformará a “laicidade da liberdade” em “laicidade da suspeita”, o clima de confiança mútua num regime de desconfiança, limitação e controle.

Foi assim que o presidente dos bispos franceses, Eric de Moulin-Beaufort, definiu o projeto, aprovado pelos deputados a 16 de Janeiro e em discussão no Senado desde 30 de Março. Juntamente com o presidente da Federação dos Protestantes da França, François Clavairoly, e o Metropolita do Patriarcado Ecumênico em França, Emmanuel Adamakis, ele assinou um texto insolitamente crítico.

Separatismo e valores republicanos

Na sua essência, trata-se de uma série de emendas à Lei da Liberdade Religiosa de 1905, cuja intenção é abordar o comunitarismo islâmico, o separatismo que afeta as comunidades muçulmanas do país, a fim de reafirmar o corpo de valores e princípios que governam a República.

Após os repetidos ataques do fundamentalismo islâmico, particularmente o assassinato do Prof. Samuel Paty, o Presidente da República, Emmanuel Macron, num longo discurso a 2 de Outubro de 2020, atacou o separatismo como terreno fértil para a violência contra os valores do Estado.

O separatismo “é um projeto consciente, teorizado, político-religioso, que se concretiza em repetidas divergências em relação aos valores da República, o que se traduz frequentemente no estabelecimento de uma contra-sociedade, cujas manifestações são a des-escolarização das crianças (em França são possíveis escolas privadas, sem reconhecimento e portanto de subsídios públicos, muitas vezes de orientação islâmica (N. da R.), o desenvolvimento de práticas desportivas e culturais comunitárias que são pretextos para o ensino de princípios não conformes com as leis da República. Através da doutrinação dos nossos princípios, igualdade entre homens e mulheres, a dignidade humana é negada”.

“Tenho repetido muitas vezes: não peço a nenhum cidadão que acredite ou não acredite, que acredite pouco ou moderadamente – não é uma tarefa do Estado – mas peço a todos os cidadãos, crentes e não, que respeitem de forma absoluta as leis da República. Há no islamismo radical – este é o coração do assunto, digamos abertamente – uma vontade justificada, manifesta, uma organização metódica para se opor às leis do Estado e criar uma ordem paralela. Erguer outros valores, desenvolver uma organização social diferente, no início separatista, mas com o objetivo de um controle total no futuro”.

Deslizamento semântico

A partir daí, é lançado um projeto de lei que encontra muita resistência por parte dos representantes islâmicos (Conselho Francês de Culto Muçulmano, CFCM) e dos seus países de origem (o Magrebe e as monarquias do Golfo Pérsico).

A fim de evitar a estigmatização dos muçulmanos em França e de dar voz ao medo popular da infiltração do islamismo, a direção do texto passa da denúncia do separatismo para o reforço dos princípios republicanos. Com a intenção de atingir o alvo (fundamentalismo islâmico) através da absolutização quase religiosa do Estado, com relativa interferência e controle sobre todos os cultos, a sua organização e funcionamento.

Uma mudança semântica que, por um lado, não evita a sobreposição do Islã e do islamismo e, por outro, alarmou outras fés.

No início havia uma distância crítica tanto de judeus como de protestantes, ortodoxos e católicos, enquanto mais tarde o judaísmo apoiou a lei. O receio é que a lei restrinja a liberdade de associação, enfraqueça a liberdade de ensino (alargando o controle não só sobre as escolas corânicas, mas sobre todas elas), fragilize a liberdade de expressão e mine a liberdade religiosa. De fato, é necessária uma autorização da prefeitura para cada associação religiosa de cinco em cinco anos.

A questão securitária parece estar a resolver-se numa mudança de intencionalidade sobre a lei da liberdade religiosa que, mesmo com modificações sucessivas, se mantém há mais de cem anos. A partir de uma lei que garante a autonomia dos cultos, ameaça tornar-se um instrumento de controle e absolutização dos valores republicanos como uma nova e mais importante fé.

Por parte da direita política e da oposição, a fasquia da segurança é cada vez mais alta, enquanto a maioria quer ir onde os antecessores de Macron, Sarkozy e Hollande, falharam.

A 10 de Março o governo recebeu os chefes da Conferência Episcopal (uma reunião direta que tem sido repetida todos os anos desde 2002) e entre os problemas em cima da mesa (o papel dos capelães dos hospitais durante a pandemia, a segurança social do clero, as leis bioéticas) havia também a questão da lei contra o separatismo.

Os protestantes também acreditam que os meios de controle já existem sem a necessidade de mais legislação. Sempre pró-republicano, observam, nas palavras do Pastor Calvairoly: “É a primeira vez que me encontro na posição de defender a liberdade de culto. Eu nunca teria imaginado que isso pudesse acontecer no meu país”.

Representação do Islã

Os judeus, no início suspeitos, deram à lei uma avaliação positiva. O rabino chefe Haȉm Korsia disse que partilhava o espírito da proposta: “O diagnóstico é correto e a lei é necessária”. As pousadas maçônicas foram também a favor.

O sistema de representação das comunidades muçulmanas ameaça explodir. Das nove organizações que compõem o Conselho Francês de Culto Muçulmano, três (pró-Turquia) recusaram-se no início do ano a assinar uma Carta de Princípios para o Islã em França. Algumas semanas mais tarde, quatro associações renunciaram ao Conselho e anunciaram (17 de Março) que estavam a criar um novo órgão representativo. Neste caso, o objeto de disputa é a nomeação, pelo presidente, do capelão nacional das prisões, mas a inimizade pessoal entre alguns dos representantes é salientada acima de tudo.

A representação islâmica é difícil em todo o lado, mas em França é particularmente assim. Como o Prof. A. Ferrari salientou: “Em França, a voz pública (do Estado) é mais forte, tendendo a ser monopolista, com a vocação de subordinar todas as outras, incluindo a Igreja. Um muçulmano em França tem mais dificuldade em distinguir a Igreja das instituições públicas. Então, a nível simbólico, é provável que a Igreja (menos visível que a italiana) pague por uma maior identificação com o colonialismo francês”.

Embora Macron seja o líder europeu mais bem equipado para compreender o papel das fés, continua a existir uma lacuna significativa na compreensão da classe dominante do continente, particularmente na zona francófona e no Norte da União Europeia, sobre as fés no espaço público. Uma dificuldade que não está isenta de responsabilidade também do lado das Igrejas cristãs.

SettimanaNews è uma plataforma on-line que oferece informação religiosa no contexto do debate cultural e histórico-civil. Sucede  à revista em papel Settimana (1946-2015) que se destacou pela atenção aos temas pastorais. O site pertence à Província dos Dehonianos da Itália do Norte.

Artigo disponível em:

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Autorizo o uso dos meus dados pessoais