08 março 2021
08 mar 2021

“Focus!”

“Focus!”
Carta para 14 de março,
no aniversário do nascimento do Padre Leão Dehon.
email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Aos membros da Congregação
A todos os membros da Família Dehoniana

Na comunidade do Noviciado SCJ, no Vietname, existe um tanque onde são criados peixes para consumo doméstico. Para pescá-los, os noviços usam um colchão flutuante, uma vara de bambu para fazer de remo e uma rede. A técnica é simples: manter-se de pé sobre o colchão e lançar a rede de modo correcto. Se tudo correr bem, o almoço ou o jantar está garantido. Um religioso que estava de passagem por aquela comunidade quis experimentar. Um dos noviços convidou-o naturalmente a partilhar a experiência. Juntos sobre o colchão, dirigiram-se para o centro do lago. Mas, de repente, uma distração do religioso tornou tudo muito instável. O colchão oscilava descontroladamente e a queda na água parecia iminente. Nesse momento o noviço repreendeu o seu companheiro em correcto inglês: “Focus!” Ou seja: “Ou tu te concentras, ou caímos os dois!” A determinação do noviço produziu efeito no religioso que recuperou o seu equilíbrio e confiança e naquele dia nenhum dos dois acabou na água a fazer companhia aos peixes.

Com este pequeno episódio iniciamos a nossa saudação ao aproximar-se o aniversário do nascimento do Venerável Padre Leão Dehon, dia que é também dedicado à oração pelas vocações dehonianas. Celebramo-lo em plena pandemia que continua a ameaçar a vida e o trabalho de tantas pessoas. Nós sofremos tudo isto com muita proximidade: entre nós, com as realidades que acompanhamos, com as nossas famílias e com muitos lugares que conhecemos. É verdade que não faltam sinais de esperança e de recuperação, mas ao mesmo tempo são visíveis os desequilíbrios sociais e económicos que, embora já façam parte do nosso quotidiano, agora agravaram-se fortemente.

Em tempos tão instáveis, o que é que este aniversário nos pode trazer? Será difícil responder sem nos determos para pensar no que aconteceu na época e na vida do Padre Dehon. Ele conheceu, e muito, situações fatídicas imprevistas e adversidades. Passou por acontecimentos devastadores, como por exemplo os conflitos bélicos que arruinaram a Europa naquela época. Foi envolvido nas tensões de uma sociedade que se industrializava e gerava uma classe operária muito negligenciada. Enfrentou políticas, tanto na França como noutros países, que criaram dificuldades à missão da Igreja, particularmente à vida consagrada. Não permaneceu indiferente às epidemias que assolavam mortalmente vastas regiões do mundo. E se prestarmos maior atenção à sua própria vida, percebemos, por ele próprio, muitas das suas tribulações: a oposição do pai à sua vocação sacerdotal; o incêndio do Colégio São João, ao qual seguidamente teve de deixar; a supressão da sua primeira congregação, Prêtres Oblats du Cœur de Jésus (Consummatum est!); os fracassos dos projetos missionários, primeiro no Equador e depois na Tunísia; a morte de muitos missionários em África por causa das doenças; a perda de casas e de obras devido às leis civis; a deterioração da sua saúde; os conflitos dentro da Congregação; as dificuldades económicas; as incompreensões; as difamações… a que se junta ainda uma longa lista de episódios que, por várias vezes, puseram à prova a sua fé, a sua vocação e o seu projecto.

No entanto, apesar de tudo isto, ele não perdeu a perspectiva: “Cada ano teve as suas dificuldades. É necessário saber dizer sempre o seu fiat!” [1]. Longe de se refugiar num fatalismo resignado, o Padre Dehon aceitou tudo o que aconteceu como um caminho de conversão e de abandono à vontade de Deus. Com esta disposição da alma, amadurecida na intimidade, na oração, no discernimento partilhado e no olhar atento ao mundo, procurou responder deste modo ao convite de Deus para participar da sua santidade: “Sim, a santidade é um simples fiat, uma simples disposição da vontade à conformidade com a vontade de Deus. O que é que há de mais fácil? Quem não pode amar uma vontade assim tão amável e tão boa? A alma que vê a vontade de Deus em todas as coisas, tanto nas mais dolorosas como nas mais fáceis, aceita tudo com alegria e com igual respeito…”[2].

Apesar das tempestades em que estava mergulhado, nem o pessimismo nem a ansiedade conseguiram derrotá-lo. Como servo diligente, confiava e esperava activamente no Senhor, conservando com zelo a graça de se unir a Ele com uma vocação reparadora. Na memória dos homens e mulheres que o precederam na fé, o Padre Dehon encontrou também conforto e encorajamento para se manter concentrado do melhor modo possível. Entre eles, vale a pena recordar, especialmente neste ano, São José, por quem o Padre Dehon tinha uma singular devoção e admirava a sua vontade de partir, de se levantar várias vezes, à luz daquilo que Deus lhe pedia, apesar da sua grande perplexidade. Nas palavras do Papa Francisco:

“Na nossa vida, muitas vezes sucedem coisas, cujo significado não entendemos. E a nossa primeira reação, frequentemente, é de desilusão e revolta. Diversamente, José deixa de lado os seus raciocínios para dar lugar ao que sucede e, por mais misterioso que possa aparecer a seus olhos, acolhe-o, assume a sua responsabilidade e reconcilia-se com a própria história. Se não nos reconciliarmos com a nossa história, não conseguiremos dar nem mais um passo, porque ficaremos sempre reféns das nossas expectativas e consequentes desilusões”[3].

Olhando para o nosso presente, não é de estranhar que tudo o que aconteceu neste último ano nos tenha perturbado e deixado muito desorientados. Compete a nós acolhê-lo com um olhar fiel e um coração que, como o de Maria, não se apressa a descartar o que não compreende ou o que assusta. Compete a nós continuar a encontrar amparo no Senhor, entre nós e naqueles com quem percorremos o caminho, para não sucumbirmos à ansiedade que o desespero e o catastrofismo trazem. Este é um momento oportuno, um tempo de graça, para nos ajudar a focalizar o olhar e a interpretar bem tudo o que está a acontecer. Talvez precisemos de nos reconciliarmos com os nossos sentimentos, pessoalmente e em comunidade. Deste modo, no meio das adversidades e dos contratempos, o Padre Dehon aproveitou para se entregar mais generosamente ao serviço do Reino, ao serviço de todos. Ele não perdeu a perspectiva necessária. O facto de as coisas não terem decorrido conforme ele desejaria, não o desanimou. Pelo contrário, ajudou-o a compreender-se melhor e, acima de tudo, a reconhecer com sincera humildade e gratidão que a obra, mais do que sua, era de Deus.

Neste ano, ao recordar o seu aniversário, façamos ressoar entre nós um forte “Focus!”, como gritava o noviço vietnamita. Uma advertência clara e concisa a não nos distrairmos e nos concentrarmos mais sobre o que é verdadeiramente importante na nossa vocação e na nossa missão, para que não diminua a fraternidade nem a oração partilhada, para que não diminua a proximidade com quem mais sofre e com quem está a passar por maiores dificuldades.

Que também nós, como o Padre Dehon, saibamos escutar, interpretar e agradecer as vozes e os sinais deste tempo que nos convidam a reagir com renovada esperança e criatividade. Que com a sua ajuda possamos manter o nosso olhar atento e confiante no Filho do Homem que foi levantado (cf. Jo 13,14), para que este nosso mundo tenha a Vida.

Fraternalmente, in Corde Iesu

P. Carlos Luis Suárez Codorniú, scj
Superior Geral
e seu Conselho


[1] « Chaque année a eu sa part. Il faut savoir dire toujours son fiat ! ». Souvenirs (LCC 8090139/30).

[2] « Oui, la sainteté est un simple fiat, une simple disposition de volonté conforme à celle de Dieu. Qu’y a-t-il de plus aisé ? Car qui ne peut aimer une volonté si aimable et si bonne ? L’âme qui voit la volonté de Dieu en toutes choses, les plus désolantes comme les plus faciles, reçoit tout avec joie et avec un respect égal… ». NQT 39/61.

[3] Papa Francisco, Patris corde 4.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter