27 março 2021
27 mar 2021

Os paradoxos da fé

Domingo de Ramos

por  Joseph Kuate, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Este domingo, que nos introduz no clímax da Quaresma, tem duas designações: Domingo de Ramos e Domingo da Paixão. Ele une dois acontecimentos na vida de Jesus, Nosso Senhor, separados por uma distância de seis dias, a saber: a entrada triunfal em Jerusalém e a paixão e morte. Este domingo introduz também na Semana Santa, durante a qual reviveremos espiritualmente a última semana de Jesus em Jerusalém, que termina com a sua morte e ressurreição. Observamos hoje, através da Palavra de Deus, os paradoxos.

O paradoxo da multidão. A mesma multidão que aclama Jesus com toda a reverência possível, quando entra em Jerusalém, pronuncia-se com vingança alguns dias depois a favor da sua crucifixão e da libertação de um malfeitor.

Jesus, que é de natureza divina, renunciou a todas as prerrogativas divinas (omnipotência, omnisciência…), para ser crucificado como um bandido comum, depois de ter sofrido todas as humilhações possíveis. Paulo dirá: nós pregamos um Messias crucificado, um escândalo para os judeus, loucura para os gentios, mas para aqueles que acreditam, Ele é a Sabedoria de Deus.

Pedro, muito entusiasta de seguir o seu Mestre até à prisão, nega-O; e os apóstolos, a quem Ele chamou de amigos, fogem todos, para se esconderem, quando Ele é preso.

Qual seria a nossa atitude se lá estivéssemos? Certamente, a multidão é semelhante a nós. Por vezes, cantamos os louvores do Senhor de cabeça erguida, mas logo depois comprometemo-nos em atos que não O honram. Quando recebemos os sacramentos (batismo, confirmação, matrimónio, reconciliação…) prometemos fidelidade e, como Pedro, preferimos a morte a trair o compromisso assumido perante Ele. Mas quantas pessoas das que receberam os sacramentos de iniciação ainda põem os pés na igreja? Quantos deles ainda estão dispostos a defender a sua fé cristã? Ou preferem escarnecer daqueles que permaneceram fiéis à Igreja? O que nos leva a desviar-nos dos caminhos percorridos no seguimento do Senhor? São as tentações e as dificuldades da vida. A multidão segue os estados de espírito. Quem quiser ir contra o fluxo da multidão é apontado, marginalizado e até perseguido. O medo de ser contrariados, de ficar em desvantagem ou de ser perseguido faz-nos sucumbir à tentação de agradar à multidão ou defender o amor próprio como Pôncio Pilatos ou como Pedro. Este último tentou seguir o seu mestre como tinha prometido e até defendê-lo no Jardim das Oliveiras. Mas a violência física e verbal dirigida ao seu Senhor levá-lo-á a negar que O conhece. Contudo, quando o galo canta, lembra-se do que o Mestre lhe tinha dito: “Antes que o galo cante hoje, ter-me-ás negado três vezes”. Assim, depois de ter tomado consciência da sua traição, fugiu para chorar. Quando o galo da nossa consciência canta para nos recordar as nossas traições, será que voltamos atrás ou que perseveramos nos nossos pecados, sufocando-o?

Nem todos fugiram de Jesus ou tiveram vergonha da sua humilhação. As mulheres seguiram-no até ao momento em que expirou, sentindo a impotência para refrear o mal. Por vezes fugimos da injustiça porque somos impotentes para a impedir. Estas mulheres mostram-nos que estamos errados ou somos cobardes, se não defendermos uma causa justa até ao fim.

Senhor, não nos trates segundo a nossa cobardia e a nossa indiferença diante das pessoas que sofrem como Tu e que encontramos nos nossos caminhos. Que a celebração da tua paixão desbloqueie o crescimento da nossa consciência para nos despertar do sono das nossas fraquezas, para podermos chorá-las amargamente como Pedro e erguer-nos contigo na Páscoa, mais determinados a confiar em Ti.

Artigo disponível em:

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter