Beato João Maria da Cruz22 de setembro, Memória SCJ

Com coração aberto » 22 setembro 2022

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

O Beato Juan María de la Cruz (nome de batismo, Mariano García Méndez) nasceu em San Esteban de los Patos (Ávila) em 25 de setembro de 1891, batizado em 27 de setembro e, após dois anos, crismado em 13 de abril de 1893. Ele foi o primeiro de quinze filhos e recebeu uma excelente formação religiosa de seus pais. Aos 10 anos de idade ele sentiu um forte desejo de se tornar padre. Foi aceito como estudante externo no seminário de Ávila (1903-1907). Ele imediatamente fez cursos de filosofia e teologia, que completou em 1916, com excelentes notas, deixando uma memória de conduta exemplar entre seus companheiros. Durante este período, ele teve uma breve experiência com os dominicanos em Ávila, em 1913.

Ele foi ordenado padre em 18 de março de 1916. Suas primeiras paróquias foram Hernansancho e San Juan de la Encinilla, onde demonstrou grande amor por seu ministério pastoral e penitencial. Ele fez uma nova tentativa de entrar na vida religiosa com os Carmelitas Descalços em Vizcaya, mas teve que abandoná-la novamente devido a problemas de saúde. Ao retornar a Ávila, foi destinado a outras paróquias, mas em suas viagens a Madri conheceu os religiosos “Reparadores” ou Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus, que eventualmente se tornariam sua Congregação definitiva. De fato, ele fez seu noviciado lá e emitiu seus primeiros votos em 31 de outubro de 1926 em Novelda (Alicante). No ano seguinte, foi designado para a Escola Apostólica de Puente la Reina (Navarra). Ele procurou uma vida contemplativa, mas os superiores lhe confiaram vários compromissos apostólicos de acordo com as necessidades da Congregação recém-criada. Aqueles que o conheceram apontam para seu espírito de sacrifício e obediência em cada tarefa que empreendeu. Pouco a pouco, o desejo de martírio nasceu nele quando ouviu falar dos mártires que morreram na China durante aqueles anos.

Diante dos tristes acontecimentos da perseguição religiosa na Espanha, ele se mudou para Valência, onde foi preso no dia 23 de julho por protestar contra a queima da famosa igreja dos “Santos Juanes”. Durante sua prisão, ele sempre se comportou calmamente, pronto a levar a vontade divina ao extremo do sacrifício, tentando realizar todas as práticas e devoções próprias da Congregação, como ele escreveu em um pequeno diário que sempre carregava consigo. Cada vez que um companheiro de prisão era morto, ele renovava seu compromisso de dar tudo a Cristo, considerando o martírio como a graça mais extraordinária que poderia acontecer com ele.

E seu momento de graça chegou na noite de 23 de agosto de 1936, quando, arrastado para fora de sua cela, ele saiu de dentro dela, pulando para cima e para baixo com alegria. Ele foi morto à noite aos pés de uma oliveira na fazenda “El Sario” (Silla, Valência); foi enterrado em uma vala comum no cemitério, junto com outros que encontraram o mesmo destino que ele. Algumas testemunhas o viram no local de execução e no momento do enterro.

Foi só mais tarde, em 28 de março de 1940, que seus restos mortais foram exumados e transferidos para Puente la Reina: a cruz da profissão, o escapulário e um diário de bolso embebido em sangue foram encontrados em seu corpo. Seus restos mortais descansam em Puente la Reina, na igreja “El Crucifijo”.

Biografia Joao Maria da Cruz

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter

Leia a Política de Privacidade e escreva para