28 outubro 2020
28 out 2020

Respondendo de forma responsável à surpreendente situação

Breves informações sobre os serviços pastorais e acontecimentos na região asiática durante a pandemia de corona vírus.

por  Tinu Thomas Padapurakkal, scj

email email whatsapp whatsapp facebook twitter versão para impressão

Bill Gates, no evento TED Talk em 2015, proferiu a palestra “O próximo surto? Não estamos prontos”, e nela sugeriu ao mundo para colocar em prática todas as nossas boas ideias, desde o planejamento de cenários até a pesquisa de vacinas e o treinamento de trabalhadores da saúde. Em suas palavras “Se algo matar mais de 10 milhões de pessoas nas próximas décadas, é provável que seja um vírus altamente infeccioso em vez de uma guerra; não mísseis, mas micróbios”. Dois anos depois ele acrescentou que “é bastante surpreendente a pouca preparação que existe para isso”, e agora o que acontece é que dizemos a todos o que Jesus disse a Maria Madalena: “Não me toques” (Jo 20,17). A triste realidade é que agora o mundo está ameaçado com a mesma realidade de 1918, apesar de todas as vantagens tecnológicas e modernas.

O surto de corona vírus foi inicialmente relatado à OMS em 31 de dezembro de 2019 na Ásia e depois se espalhou para o mundo inteiro. O sul e o sudeste asiático são uma das áreas mais afetadas pelo corona vírus no mundo. Nós, Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus, temos presença na Índia (sul da Ásia) e nas Filipinas, Indonésia e Vietnã (sudeste da Ásia). Como as entidades asiáticas de áreas altamente afetadas conseguiram responder a esta situação inusitada, intensa e perigosa?

Segundo o P. Joe das Filipinas, o desemprego, a fome e a morte devido à COVID-19 traz muita ansiedade para os filipinos de hoje. Isto é muito perceptível nas comunidades mais humildes da região de Luzon, onde três comunidades SCJ administram paróquias. Através da colaboração de pessoas de bom coração, a Região das Filipinas (PHI) responde zelosamente a estas necessidades urgentes. Necessidades como alimentos e kits de higiene, medicamentos e vitaminas são distribuídos às famílias mais afetadas. Um programa de alimentação para os doentes, idosos e crianças está sendo realizado. Ajuda financeira é dada aos estudantes que estão se esforçando no modo de aprendizagem on-line. A jardinagem urbana também está sendo promovida. Enquanto isso, apesar das restrições na participação de quaisquer atividades religiosas, a celebração eucarística online, adoração e recolhimento são promovidos. A fé é corajosamente praticada na base, neste período difícil.

Nove estudantes de teologia do Distrito da Índia foram afetados pelo corona vírus, mas conseguiram se recuperar. O país entrou em lockdown total no período inicial da pandemia e os dehonianos foram ágeis em ajudar as pessoas com cestas de alimentos contendo mantimentos e arroz. Apesar da situação nos estágios iniciais da pandemia, o Distrito teve 14 ordenações diaconais e 5 ordenações sacerdotais. Um dos maiores grupos de ordenações na curta história do Distrito realizou-se em circunstâncias estritamente restritas em seis lugares diferentes do país. De acordo com as instruções do governo para as celebrações religiosas, era permitido o número máximo de cem pessoas, desse modo o Distrito permitiu que somente familiares próximos estivessem presentes durante a celebração.

A Província da Indonésia criou uma Fundação para enfrentar a crise do corona vírus e assim ajudar as pessoas necessitadas. A Fundação reúne e coordena os voluntários para ajudar os afetados. Os dehonianos buscam assegurar que ninguém passe fome nesta difícil situação. As paróquias dehonianas fornecem arroz, mantimentos e dinheiro para as pessoas da região. O Seminário Menor na Indonésia tinha um grande número de estudantes e continuar ali durante a pandemia causaria aglomeração social, então os formadores introduziram a vida do seminário na diáspora, o que permite que os estudantes fiquem nas proximidades. O estilo desse seminário é adaptado a partir dos primórdios da vida cristã que encontramos na Sagrada Escritura. Os seminaristas se dividem em pequenos grupos (dois a dois, três a três, ou mais, porém não mais do que seis) e vivem em paróquias ou comunidades SCJ ao redor. Os dehonianos na Indonésia continuam a visitar os hospitais e ungir os doentes respeitando todo o protocolo para o corona vírus.

O Papa Francisco diz: “podemos curar o mundo, se todos trabalharmos juntos”, os dehonianos esforçam-se ao máximo, procurando estar disponíveis a qualquer momento, prontos para servir em qualquer situação inconveniente e sacrificar qualquer coisa para que o mundo seja curado. Obrigado, caros dehonianos, por sua resposta a esta situação inusitada, intensa e perigosa.

Inscreva-se
na nossa newsletter

SUBSCREVA

Siga-nos
nos nossos canais

 - 

Inscreva-se
na nossa newsletter